Marilyn Monroe
Foto: Frank Povolny/Twentieth Century Fox/Sunset Boulevard/Corbis via Getty Images

Nos 60 anos da morte de Marilyn Monroe, veja 5 fatos que devem estar na cinebiografia da atriz

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0

Marilyn Monroe é daquelas personalidades com carreira meteórica que se tornaram lendas em pouco tempo. Encontrada sem vida em sua casa aos 36 anos, em 5 de agosto de 1962, a morte da atriz, cantora e modelo completa seis décadas nesta sexta-feira (5).

Ainda esse ano, Marilyn vai ganhar uma cinebiografia na Netflix, “Blonde”, estrelada pela atriz cubana Ana de Armas no papel principal e Adrien Brody, conhecido por atuar em “O Pianista”, e Bobby Cannavale, de “O Irlandês”, no elenco.

Assim como a maioria dos projetos que envolvem a estrela de Hollywood, esse já é um dos trabalhos mais aguardados de 2022 e, por isso, GLMRM listou alguns momentos importantes da vida de Marilyn que podem (ou não) aparecer em “Blonde”; confira:

Morte trágica e misteriosa

Marylin Monroe foi encontrada morta em sua casa, em Los Angeles, na madrugada do dia 5 de agosto de 1962, em um aparente suicídio. Nua na cama e com um telefone em mãos, havia um tubo de remédios vazios ao seu lado.

O mistério em torno de sua morte era claro para quem viu a cena. Um dos policiais envolvidos no caso, inclusive, jurou até sua morte que ela havia sido assassinada. Motivos para isso não faltavam: a demora no registro de sua morte, a cena perfeita e seu bom estado de saúde na época levantaram suspeitas.

Uma das principais supostas causas poderia ser queima de arquivo; isso porque Marilyn se envolveu com o ex-presidente dos EUA, John F. Kennedy, casado com Jacqueline na época. Frustrada com o fim do caso amoroso, ela ameaçou chamar uma coletiva de imprensa para expor o romance e segredos confidenciais do governo. No entanto, nada foi confirmado.

Caso com John F. Kennedy

Um dos momentos marcantes, seja na moda ou na carreira de Marilyn, foi quando ela cantou “Happy Birthday” para John F. Kennedy no Madison Square Garden, em Nova York.

Mesmo sendo sua marca registrada, a sensualidade de Marilyn na apresentação foi tamanha que boatos de que ela e o ex-presidente tinham um caso começaram a se espalhar. Outra teoria que reforçou esse rumor foi a ausência de Jacqueline, mulher de John na época, no evento.

Onde Marilyn Monroe usou o vestido que Kim Kardashian estragou?

Como uma boa fashionista, o rico arsenal de roupas de Marilyn deve aparecer no longa. Inclusive, o vestido usado na apresentação do Madison Square Garden, branco de alças finas e com cristais Swarovski, assinado pelo estilista francês Bob Mackie, se tornou um clássico à primeira vista.

A peça foi a mesma que Kim Kardashian alugou para vestir no Met Gala deste ano. A atitude não agradou o público e piorou quando a socialite entregou o vestido com cristais descosturados e faltantes.

Relembre a apresentação e como o vestido era antes de ser usado pela Kardashian mais famosa:

Triângulo amoroso

Robert Kennedy, irmão do ex-presidente dos EUA, foi uma vez à casa de Marilyn para dizer que John não se divorciaria de Jacqueline e pedir para ela parar de telefonar na Casa Branca

A intenção de Robert era impedir que o caso dos dois não vazasse na mídia. No entanto, nesse dia Marilyn e o irmão de John tiveram um envolvimento, o que deu início a um triângulo amoroso entre ele, o ex-presidente e a artista.

Divórcios e casamentos conturbados

Da década de 1950 a 1960, Marilyn teve três casamentos. A primeira experiência da atriz como esposa foi aos 16 anos com o policial e escritor James Dougherty. Os dois terminaram a união após quatro anos porque estavam em momentos diferentes de vida: ele se tornara marinheiro enquanto ela tentava a vida de artista em Hollywood.

Ela se casou novamente aos 28 anos, mas, desta vez com o jogador de basebol Joe DiMaggio, interpretado por Bobby Cannavale no longa da Netflix. O relacionamento de um ano dos dois era cheio de conflitos que contava até com um histórico de violência doméstica.

Marilyn Monroe e Joe DiMaggio, circa 1954. Foto: Underwood Archives/Getty Images

Quando o atleta morreu, foi encontrada uma carta em sua carteira, rasgada em quatro partes iguais, em que Marilyn pedia desculpas pelas coisas que disse durante uma discussão. Essa relíquia foi leiloada por US$ 78 mil (R$ 406 mil).

O último matrimônio de Marilyn foi com o dramaturgo Arthur Miller, que será interpretado por Adrien Brody em “Blonde”. Essa também foi a união mais duradoura da atriz que acabou um ano antes de sua morte.

Enquanto o longa não estreia na Netflix, aproveite e confira o trailer oficial:

Você também pode gostar