David Solomon, futuro CEO do Goldman Sachs || Créditos: Getty Images/Reprodução

Futuro CEO do Goldman Sachs terá que largar a carreira de DJ para assumir o cargo

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
David Solomon, futuro CEO do Goldman Sachs || Créditos: Getty Images/Reprodução

Anunciado na última terça-feira como o substituto de Lloyd Blankfein no comando do Goldman Sachs a partir de 1° de outubro, David Solomon vai ter que dar um tempo na “segunda carreira” que mantém há anos assim que se tornar o novo número um do gigante das finanças. Funcionário do Goldman desde o fim da década de 1990, o executivo sempre se dividiu entre suas funções na instituição financeira fundada há quase 150 anos e as pistas de dança que costuma comandar nas horas vagas com o nome artístico de DJ D-Sol (@djdsolmusic no Instagram).

Apaixonado por música eletrônica, Solomon até lançou seu primeiro single do gênero no mês passado – intitulada “Don’t Stop”, a faixa está disponível no Spotify e recentemente bateu a marca de 1,2 milhão de reproduções. Aliás, ele é bem popular no aplicativo de música, no qual conta com mais de 260 mil seguidores e 550 mil ouvintes mensais, a maioria provavelmente sem estar ciente de que curte setlists selecionadas por alguém que em breve será descrito como um dos homens mais poderosos do mundo.

O problema é justamente esse, já que além da carga horária extra que exigirá dedicação em tempo integral Solomon deverá se submeter também a um rigoroso esquema de segurança imposto aos chefões do Goldman, que em razão da importância que o banco de investimentos tem no cenário global acabam adquirido status de chefes de estado. Sendo assim, as viagens para hotspots de verão como os Hamptons, Miami e as Bahamas, os destinos mais frequentes dele como profissional da e-music, estarão praticamente proibidas com a efetivação da promoção.

Mas é claro que o novo cargo de CEO também tem suas vantagens, a começar pelo salário fixo de US$ 24 milhões (R$ 90,7 milhões) anuais que Solomon terá, sem contar os bônus que ele vai receber sempre que atingir as metas impostas pelo conselho de administração ao qual se submeterá. Se tiver a mesma sorte de Blankfein, que se tornou bilionário graças a esses extras embolsados ao longo dos anos, o banqueiro também poderá se aposentar com uma fortuna de dez dígitos suficiente para garantir sua diversão como artista das batidas pelo resto da vida.0 (Por Anderson Antunes)

Você também pode gostar