Entre lances fartos e animação morna, a terceira edição do gala BrazilFoundation

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
cine-brazil
Marina Ruy Barbosa, Johanna e Alexandre Birman, Laura Neiva, Mariana Goldfarb e Cauã Reymond|| Créditos: Bruna Guerra

A terça-feira foi de gala para os convidados da terceira edição do BrazilFoundation, que desta vez aconteceu na Casa Fasano, em São Paulo, e reuniu em torno de 300 convidados. Não era surpresa que a noite seria enxuta, sem os superlativos das duas edições anteriores. A versão 2016 não contou com grandes atrativos, mas nem por isso deixou de fazer bonito. O salão foi dividido em dois: um lounge para o cocktail inicial e o espaço para as 25 mesas – todas com caminhos de flores tropicais, souplats em tom de pink e um mimo dos mais especiais: um lenço da coleção Cruise 2017 da Chanel desfilada em Havana. A maison foi pela segunda vez consecutiva a patrocinadora master da noite. Os mimos fizeram tanto sucesso que duas ou três convidadas fizeram questão de sair com uma caixinha a mais.

Desta vez o evento homenageou Edemir Pinto, diretor presidente da BM&F Bovespa, Bel Santos Mayer, coordenadora do Instituto Brasileiro de Estudos e Apoio Comunitário, e o casal Johanna e Alexandre Birman, que subiram ao palco para agradecer. “É uma emoção muito grande estar presente e ao lado de tantos amigos e pessoas que se preocupam com o próximo, com a nossa sociedade”, disse Birman. “Essa noite é especial para nós, não pelo que fizemos, mas pelo que ainda vamos fazer”, completou Johanna.

A apresentação foi da dupla formada pela atriz norte-americana Julia Goldani Telles e pelo ator Cauã Reymond, que não empolgaram muito, assim como as palmas da plateia. A banda Bixiga 70 e a cantora Paula Lima abriram os trabalhos com sambas e músicas bem alegres, o que também não foi suficiente para animar a noite.

Quem saiu na frente no quesito charme foi Marina Ruy Barbosa, com um longo branco – cor incomum para a ocasião – criado pelo estilista Marcelo Quadros. Laura Neiva, Bruna Tenório e Helena Bordon também usavam looks desfilados pela Chanel no Paseo del Prado, em Cuba. Sophie Charlotte e Johanna Birman – também de Chanel – fizeram bonito, assim como Renata Kuerten, que resolveu a questão do dress code com um longo Roberto Cavalli.

Um menu criado pelo Buffet Fasano por Potel et Chabot ofereceu combinações saborosas: velouté de abóbora de duas texturas com castanha do Pará e chips crocantes, figo assado com pimenta, queijo de cabra e brotos e robalo e bottarga ralada na mesa com millefeuille de pupunha e molho de ervas. Ah, e um semifredo de paçoca para adoçar a vida de quem não deixa para lá uma boa sobremesa. A ambientação sóbria ficou a cargo de Denise Magalhães, que conseguiu deixar tudo mais aconchegante e caloroso. Champagne francês e vinho uruguaio foram servidos a noite toda e os mais animados recorriam ao bar para drinks mais elaborados.

O leilão arrecadou R$800 mil com lotes criativos. Um dos mais concorridos foi a experiência de nove dias no Japão, que começou com lance de R$25 mil e chegou a R$80 mil. Teve também quem pagou R$25 mil por um ‘escape’ de dois dias no Hotel Plaza Athénée, em Paris, e outras duas noites no Hotel The Dorchester, em Londres. A possibilidade de visitar e descobrir o QG da Chanel em Paris rendeu R$21 mil. Entre os outros lances estavam obras de Nuno Ramos e Julia Kater, um macacão do piloto Tony Kanaan e viagens para Miami e Nova York.

Marina Diniz comandou o som e conseguiu animar o já cansado salão, que sem fôlego para encarar o peso da madrugada resolveu encerrar o expediente ‘black tie’ mais cedo. Ano que vem tem mais. (Por Matheus Evangelista)

Você também pode gostar
Solidão Pandemia

Depois da tempestade

O restaurante que eu frequentava antes da pandemia reabriu. Esteve fechado por meses, e eu o tinha como…