Barbara Paz e Regina Casé || Créditos: Raquel Cunha / Divulgação

Bárbara Paz e Regina Casé vão representar o Brasil na final dos Prêmios Platino do Cinema Ibero-Americano

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Bárbara Paz e Regina Casé || Créditos: Raquel Cunha / Divulgação

Os Prêmios Platino do Cinema Ibero-americano anunciou os finalistas e o Brasil tem três nrepresentantes: Regina Casé, “Babenco – alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou” e “O Pergaminho Vermelho”. A entrega do prêmio seguido de um baile de gala será realizado no dia e de outubro, em Madri, e será transmitida pelo Canal Brasil.

Regina Casé foi indicada para o prêmio de melhor atriz pelo seu desempenho no longa “Três Verões”, de Sandra Kogut. “Babenco – alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou”, de Bárbara Paz, disputa como melhor documentário, e “O Pergaminho Vermelho”, de Nelson Botter Jr., está entre os finalistas de melhor animação.

Os Prêmios Platino do Cinema Ibero-Americano, promovidos pela Entidad de Géstion de Derechos de los Productores Audiovisuales (EGEDA), com Federación Iberomamericana de Productores Cinematográficos y Audiovisuales (FIPCA) e com o apoio das Academias e Institutos de Cine Ibero-americanos, destacam as produções e criadores mais importantes a cada ano, com 22 premiações e um Prêmio de Honra. Realizado desde 2014, os Prêmios Platino trabalham pela divulgação do cinema e do audiovisual ibero-americano.

Confira os indicados.

O filme colombiano “El Olvido Que Seremos” e o guatemalteco “La Llorona” receberam onze indicações ada. Já na categoria minisséries, a espanhola “Patria” lidera com cinco indicações.

Para melhor Filme Ibero-americano de Ficção: El Olvido Que Seremos (Colômbia), La Llorona (Guatemala), Las Niñas (Espanha) e Nuevo Orden (México)

Para melhor Direção: Fernando Trueba (El olvido que seremos), Icíar Bollaín (La boda de rosa), Jayro Bustamante (La llorona) e Michel Franco (Nuevo orden).

Para melhor Atriz: Candela Peña (La boda de Rosa), María Mercedes Coroy (La llorona), Regina Casé (Três verões) e Valeria Lois (Las siamesas).

Para melhor Ator: Alfredo Castro (Tengo miedo torero), Diego Peretti (El robo del siglo), Javier Cámara (El olvido que seremos) y Miguel Ángel Solá (Crímenes de Familia).

Para melhor Atriz Coadjuvante: Kami Zea (El olvido que seremos), Nathalie Poza (La boda de Rosa), Sabrina de la Hoz (La llorona) e Yanina Ávila (Crímenes de familia).

Para melhor Ator Coadjuvante: Alfredo Castro (El príncipe), Diego Boneta (Nuevo orden), Jorge Román (Matar a un muerto) e Julio Díaz (La llorona).

Para melhor Minissérie: Alguien tiene que morir (México), Antidisturbios (Espanha), El robo del siglo (Colômbia) e Patria (Espanha).

Para melhor Atriz em Minissérie: Cecilia Suárez (La casa de las flores), Elena Irureta (Patria), Inma Cuesta (El desorden que dejas) y Marcela Benjumea (El robo del siglo).

Para melhor Ator em Minissérie: Alejandro Speitzer (Alguien tiene que morir), Álvaro Morte (La casa de papel), Andrés Parra (El robo del siglo) e Eduard Fernández (30 monedas).

Para melhor Documentário: Babenco – Alguém Tem que ouvir o coração e dizer: Parou, de Bárbara Paz, Cartas mojadas, de Paula Palacios, El agente topo, de Maite Alberdi, e El año del descubrimiento, de Luis López Carrasco.

Para melhor Animação: El camino de Xico de Eric Cabello, La gallina Turuleca Eduardo Gondell e Víctor Monigote, O Pergaminho Vermelho de Nelson Botter Jr. e Un disfraz para Nicolás de Eduardo Rivero.

Você também pode gostar
Solidão Pandemia

Depois da tempestade

O restaurante que eu frequentava antes da pandemia reabriu. Esteve fechado por meses, e eu o tinha como…