Andreia Horta || Créditos: Juliana Rezende

Andreia Horta manda avisar: “Disputar homem não faz meu estilo”

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Andreia Horta || Créditos: Juliana Rezende

Andreia Horta vai tentar separar o mocinho Inácio [Bruno Caberizo] da mocinha Maria Vitoria [Vitoria Strada] na próxima novela das seis da Globo, “Tempo de Amar”, ambientada nos anos 20. Na vida real, ela garante que essa situação não aconteceria, mesmo que a “mocinha” fosse ela. “Disputar homem não faz meu estilo”. Vem ler o nosso papo completo com a atriz! (por Michelle Licory)

Lucinda, personagem de Andreia na trama, teve o rosto queimado em uma explosão no laboratório do pai. “Ela tem muitos complexos, muita vergonha do rosto queimado, se acha sempre preterida, vive encastelada e desde o acidente não sai mais”. Inácio é assaltado no Brasil e leva uma surra tão grande que fica cego. Lucinda passa a cuidar dele, achando que o rapaz pode se apaixonar, já que não consegue ver sua cicatriz. E então começa a armar para que Maria Vitoria, amada de Inácio que mora em Portugal, ache que ele está morto.

“Se ele me quiser, ele que deixe claro”

“Não sei se ele vai ficar com pena ou cair no jogo dela. Mas o que vier, está ótimo. Eu, Andreia, odeio disputa, Deus me livre. Sempre sei tirar meu time de campo. Quando começa a disputa, vou embora imediatamente. Disputar homem não faz meu estilo. Se ele me quiser, ele que deixe claro. Eu não disputo”, disse a ex-namorada de Rogerio Gomes.

Voltando para a ficção…  “Chega esse homem e a Lucinda coloca toda esperança da vida dela nele. Se vai dar certo, não sei. Mas a novela é  ‘Tempo de Amar’ e o protagonista sempre fica com a protagonista no final… E a antagonista sobra… É meio clássico isso”.

“Não estou interessada em ser malhada e loira”

Aproveitamos o drama da personagem e perguntamos como é para a atriz essa questão estética, de ter que ser bonita, ainda mais no meio em que ela vive. “O que me acalma e me deixa bem tranquila hoje é que não estou interessada num padrão de beleza tal qual ficou por muito tempo desenhado: ser malhada, magra, loira. Me libertar desse não desejo já torna minha vida muito mais fácil. Acho que a beleza existe no original, com a pessoa sendo o que ela é. Quando vejo uma pessoa bela tentando ser o que não é, se enfeia imediatamente pra mim”.

“Decaído até a última gota”

Sobre empoderamento feminino… “Acho que a gente tem que ficar bem ligada no que é desigual para chamar atenção pra isso. A gente tem que falar do machismo e seus desdobramentos. Uma ação machista não é só bater numa mulher. Um homem quando não aceita que a mulher não quer mais ficar com ele, e ele faz uma violência psicológica, moral, isso é de um machismo inacreditável e é muito comum. Acho um horror isso, por exemplo. Decaído até a última gota. Quando a gente fala de empoderamento, é apenas ser igual, é sobre liberdade também”. Por fim, sobre ser conhecida por suas fortes opiniões… “O artista é antes um cidadão. Se posicionar publicamente é importante, mas uma escolha, ninguém é obrigado”.

Ah, antes de encerrar… É tempo de amar para Andreia? “Sim, sempre”, respondeu, já saindo, e nem foi “de fininho”. A última companhia fotografada com a atriz foi o ator Gustavo Machado, seu par em “Elis”, mas a atriz não gosta de falar de sua vida pessoal.

 

 

Você também pode gostar
Solidão Pandemia

Depois da tempestade

O restaurante que eu frequentava antes da pandemia reabriu. Esteve fechado por meses, e eu o tinha como…