Agatha Moreira || Créditos: Reprodução

Agatha Moreira revela as consequências da vilã de ‘Verdades Secretas’ na sua carreira: “Olharam para o meu trabalho de outra forma”

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Agatha Moreira || Créditos: Reprodução

‘Verdades Secretas’, novela escrita por Walcyr Carrasco em 2015 será reprisada a partir de 24 de agosto na Globo – e ganhar continuação em 2022. Uma das tramas mais bem escritas dos últimos tempos – vencedora do Emmy Internacional em 2016 – teve como destaque Agatha Moreira, que viveu a mimada e inconsequente Giovanna, personagem que alavancou a carreira da atriz: “Foi uma obra muito especial, porque pude explorar um outro registro em cena, que, até então, eu não tinha tido a oportunidade. Foi a novela que fez com que as pessoas olhassem para o meu trabalho de outra forma. Fiz outros trabalhos maravilhosos depois e tenho certeza de que eles vieram como consequência desse”, avalia Agatha.

Na trama de Walcyr, Giovanna é filha do milionário Alex (Rodrigo Lombardi), de quem vive tentando chamar a atenção. A mãe, Pia (Guilhermina Guinle), é quem tenta segurar a personalidade forte e os excessos da filha. “Giovanna cresceu sem o amor do pai. Ela faz as coisas para afrontar, sem medir as consequências dos seus atos. Ela faz escolhas que não condizem com a sua realidade financeira, mas opta por um caminho tortuoso para atingir a família”, analisa. Em entrevista, Agatha relembra mais sobre o trabalho na trama, os bastidores, e a parceria com o elenco em cena.

Os bastidores dos desfiles e da agência em ‘Verdades Secretas’ eram agitados e cheios de intrigas. Como eram as gravações?

Tínhamos um clima muito legal. Essas gravações dos desfiles eram grandiosas. Eu adorava as cenas da Giovanna com a Angel também, porque ela sempre tinha um tom provocador (risos). Eu e Camila (Queiroz) já nos conhecíamos do tempo em que trabalhávamos como modelo, então foi muito legal encontrá-la ali naquele trabalho.

Como você descreve a Giovanna e como foi o processo de construção da personagem?

Giovanna é uma jovem inconsequente, mimada, e que cresceu sem o amor do pai. Ela faz as coisas para afrontar, sem medir as consequências dos seus atos. A trajetória dela é bem interessante. Ela faz escolhas que não condizem com a sua realidade financeira, mas opta por um caminho tortuoso para atingir a família. Eu foquei muito no texto do Walcyr, busquei referências que tinham a ver com o universo dela, uma menina de família rica, com acesso a tudo, e, ao mesmo tempo, insatisfeita.

Como a Giovanna marcou a sua carreira?

Foi uma novela muito especial, porque pude explorar um outro registro em cena, que, até então, eu não tinha tido a oportunidade. Foi uma novela que fez com que as pessoas olhassem para o meu trabalho de outra forma e eu sou muito agradecida a ‘Verdades Secretas’. Fiz outros trabalhos maravilhosos depois e tenho certeza de que eles vieram como consequência desse.

Qual foi o principal desafio desse trabalho?

Foi construir a personalidade da Giovanna e não deixar ela chapada, sabe? Não deixá-la num único tom, num único registro. Ela tinha uma questão muito forte com a família e eu queria desenvolver o máximo de nuances possíveis, porque a vejo múltipla. Ao mesmo tempo, ela tem um fio condutor e eu não podia perder isso de vista.

O que sentiu quando soube que ‘Verdades Secretas’ voltaria a ser exibida na TV Globo?

Acho essa reexibição um grande acerto, é uma novela tão boa, com uma história tão interessante!!! Walcyr Carrasco abordou diversos temas importantes e construiu um enredo que prendeu o público. É uma oportunidade para quem não viu poder assistir agora. E quem viu, relembrar, porque é uma obra muito bem feita, muito bem construída. Acredito que o público vai se interessar novamente e acompanhar, porque ela segue atual.

O trabalho com o Reynaldo Gianecchini em ‘Verdades Secretas’ ajudou vocês na parceria seguinte em ‘A Dona do Pedaço’?

Eu adoro o Giane. Tivemos um encontro muito feliz em ‘Verdades’ e depois em ‘A Dona’. Amo trabalhar com ele. Giane é um profissional que troca, com uma energia leve, pra cima… Com certeza a experiência de 2015 nos ajudou depois como a Josiane e o Régis.

 

Você também pode gostar