Publicidade

Em um dia chuvoso e nublado na semana que antecedeu o Natal, explorei os arredores do Palais Royal para degustar o menu do Grand Véfour, concebido pelo chef Guy Martin. Recebido calorosamente por uma equipe atenciosa, fui orientado pelos diversos pratos e recebi valiosas sugestões. Mesmo sem desvendar todos os segredos do restaurante, a atmosfera do local revelou-se sem impor qualquer intimidação. A equipe manteve uma postura acolhedora, e desde a vista dos jardins do Palais Royal até as esplêndidas colunas da galeria do Beaujolais, tudo transpirava calma e serenidade. Passado e presente entrelaçaram-se de maneira extraordinária, proporcionando um intervalo encantador e afastado da agitação da cidade.

O Grand Véfour, joia emblemática do art décoratif do século XVIII e apreciado por Napoleão Bonaparte, permanece como um monumento parisiense imperdível, repleto de histórias gastronômicas e encantadoras. As salas no andar inferior, decoradas com jogos de espelhos, lustres de cristal, pinturas douradas e desenhos sob vidro, emanam elegância. No andar de cima, obras magníficas em papel de seda da artista Claudine Drai complementam a atmosfera.

No passado era elegante discutir política num ambiente chique. E o Café de Chartres, como era chamado, notavelmente, tornou-se o quartel-general dos Ultras após Thermidor. No século XIX, adotou definitivamente o nome de Grand Véfour, entrando para a história de Paris. Artistas se encontram lá; Victor Hugo celebra a estreia de Hernani e degusta, como de costume, cabelo de anjo, carré de cordeiro e feijão branco.

Após um período de inatividade entre as guerras mundiais, o restaurante ressurgiu graças a Raymond Oliver, tornando-se um ponto de encontro para celebridades e um local carregado de histórias gastronômicas e literárias. Até hoje, é possível escolher entre as mesas de Alain Malraux e Jean Cocteau, ou relembrar a presença de Simone de Beauvoir ou Louis Jouvet.

Inovador, brilhante e descomplexado, o cardápio do Grand Véfour combina tradição e modernidade, integrando sabores do mundo com produtos locais. Destaques incluem ravioles de foie gras com creme trufado e vieiras grelhadas, purê delicado de aipo-rábano e salteado com um toque de baunilha. Na versão vegetariana, alcachofras poivrade cozidas à la barigoule são irresistíveis. Para a sobremesa, a escolha entre profiterole revisitado com manga, maracujá e coco ou o best-seller éclair à la vanille é um deleite.

 

O simpático chef Guy Martin, iniciou sua carreira na Savoia, tornou-se um mestre da culinária, conquistando estrelas e, desde 2011, liderando o Grand Véfour. O restaurante oferece experiências acessíveis, como o “semainier” de terça-feira, apresentando pratos como terrine de javali, filé de corvina, e torta de limão com merengue.

A excepcional carta de vinhos, repleta de rótulos como Château Carbonneau Séquoia 2019 e Pouilly Fumé Ladoucette 2020, é um verdadeiro prazer visual antes mesmo da escolha. Algumas garrafas de coleção, como Château Lafite Rothschild 1er cru classé de 1910 e 1902, são destinadas a verdadeiros apreciadores.

No final, o encanto do Grand Véfour reside na generosidade e inventividade de sua culinária, que sabe valorizar cada produto escolhido sem falsa ostentação, proporcionando uma experiência memorável. Cada prato, apreciado tanto visualmente quanto no paladar, é um testemunho do equilíbrio entre tradição e inovação.

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR

Dia 17 de Abril

Dia 17 de Abril

3 boutiques de streetwear para descobrir em Paris Embora Paris seja conhecida por suas prestigiosas boutiques de luxo,...
Dia 16 de Abril

Dia 16 de Abril

Corte de patriarcas Já mencionamos esta exposição antes, mas vale a pena destacar a obra “Old People’s Home”...

Instagram

Twitter