Desfile Jacquemus
Reprodução/Instagram

Capri, Nova York e San Diego: marcas de luxo voltam a apostar em destinos exclusivos para seus desfiles

1 Compartilhamentos
1
0
0
0
0

⁠Da passarela da Pucci, em Capri, ainda este mês, à da Balenciaga, em maio, em Nova York, passando pela da Louis Vuitton, em San Diego, os desfiles em destinos paradisíacos e exclusivos estão de volta. Dois anos depois do coronavírus forçar o mundo a fazer uma pausa, o calendário da moda dos próximos meses se encontra repleto de fashion shows pelo globo. O objetivo? Dominar o noticiário, ativar os principais mercados e criar imagens únicas e memoráveis ​​para as principais marcas.

Dior Grécia
Dior na Grécia. Foto: Divulgação

Durante o auge da pandemia, com fronteiras fechadas, voos cancelados e economias em queda livre – sem falar da crise climática –, a ideia de que marcas com sede em Paris e Milão voltariam a reunir modelos, estilistas, fotógrafos, jornalistas, influenciadores e celebridades de todo o mundo por 15 minutos de passarela parecia cada vez mais distante.

Até Antoine Arnault, membro do comitê executivo da LVMH, detentora de marcas como Louis Vuitton e Dior, questionou publicamente a prática: “Levar metade do mundo da moda para o Rio por 48 horas para um desfile de cruzeiro foi lindo, mas provavelmente um pouco demais ”, disse ele à Bloomberg em dezembro de 2020.

No entanto, desde então, não apenas nomes consagrados do mercado, como Dior e Chanel, voltaram a realizar eventos internacionais fora do calendário da semana de moda, como estão sendo acompanhados por casas como Balenciaga e Alexander McQueen, que antes se mantinham apenas nas fashion weeks programadas – além de algumas grifes jovens (embora com grande público online), como Jacquemus.

Apesar dos custos, tanto financeiros quanto ambientais, os benefícios do negócio parecem ser irresistíveis. Os “destination shows”, como são chamados, oferecem oportunidades para criar imagens de marketing com um fator “uau” além do que as passarelas tradicionais oferecem. Além disso, ao organizar desfiles fora de semanas de moda barulhentas e repletas de rivais, as marcas têm a chance de brilhar absolutas no ciclo de notícias.

Os eventos têm como alvo os influenciadores, editores de moda e celebridades que geram menções na mídia, bem como os clientes que mais gastam. À medida que novos clientes impulsionam o crescimento das vendas, muitas marcas estão rumando para os mercados globais, onde organizar um show espetacular pode ajudar a consolidar sua crescente popularidade e transformar novos clientes promissores em consumidores fiéis.

Você também pode gostar