Divulgação Netflix

Pathy Dejesus fala de sua personagem na segunda temporada de ‘Coisa Mais Linda’: “Naquela época a mulher negra não tinha nenhuma voz”

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Pathy Dejesus e Mel Lisboa // Divulgação Netflix

Que tal fazer uma viagem no tempo, diretamente para o Rio de Janeiro dos anos 1960,  época em que se passa a segunda temporada da série brasileira da Netflix, ‘Coisa Mais Linda’, que estreia na próxima sexta-feira. Para adiantar um pouco do que vem por aí, Glamurama bateu um papo com o elenco para falar sobre a continuação da história das superpoderosas Malu ( Maria Casadevall), Thereza (Mel Lisboa), Adélia (Pathy Dejesus) e uma nova protagonista, Ivone (Larissa Nunes). “O exercício do ator é de empatia. A gente se coloca literalmente no lugar dos personagens e somos obrigados a entendê-los, mesmo que não concorde com eles”, entrega Mel.

A série retrata as protagonistas em suas diferentes lutas. Thereza é uma jornalista cheia de atitude que quebra diversos tabus ao longo  da trama. Mel Lisboa, que já viveu papeis fortes e inesquecíveis, contou um pouco do que ela tem de Thereza e o que aprendeu com ela. “Tive muita sorte de ter feito personagens tão fortes e que me ensinaram muito. Isso é o que eu mais tiro do trabalho, mais do que emprestar meu corpo e minha voz para as personagens. A Thereza que me ensinou sobre sororidade e justiça”.

Pathy Dejesus também falou sobre suas semelhanças com Adélia, uma das proprietárias do bar ‘Coisa Mais Linda’, na série. “Aprendi muito com ela, principalmente o lugar desconfortável que é você se transportar para uma época em que a mulher negra não tinha praticamente nenhuma voz e entender esse lugar já foi das minhas ancestrais. Trazer isso pra mim, entender alguns privilégios que hoje eu possa ter e ainda assim enxergar que tem muita coisa para ser feito me dá forças”. Pathy ainda comentou que acredita que a personagem, dentro do contexto social e histórico, não pode ser considerada ’empoderada’. “Ela não é uma mulher propriamente empoderada. Acho ela muito forte. Muito da Adélia eu trouxe de experiências familiares porque nem tudo que é historia negra está nos livros, né?”

E por falar em inspiração, Mel Lisboa falou de suas referências para o papel: “A Thereza tem duas inspirações primordiais que são a Simone de Beauvoir e a Clarice Lispector”. Play para conferir o papo completo e o trailer aqui em baixo:

 

 

 

 

 

 

Você também pode gostar