No aniversário de Spielberg, culturettes escolhem o filme preferido do diretor

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0

'Zulu' Premiere And Closing Ceremony - The 66th Annual Cannes Film Festival

No aniversário de 68 anos de Steven Spielberg, Glamurama quis saber de culturettes e afins qual o filme preferido do diretor. Os citados? “Encurralado”, primeiro filme de Spielberg, de 1971, “Tubarão”, “E.T.- O Extraterrestre” (o campeão de preferências) e “Inteligência Artificial”.

“Encurralado” (1971)

suzanapires

 

 

 

Suzana Pires, atriz:  “Gosto desse filme porque ele prova que a dramaturgia não está no tamanho da produção, mas na competência da equipe”.

felipecama

 

 

 

Felipe Cama, artista: “Uma trama muito simples, que é levada ao ápice do suspense. Um motorista de carro comum é perseguido implacavelmente por um caminhão desconhecido na estrada”.

 

“Tubarão” (1975)

renatodecara

 

 

 

Renato de Cara, galerista: “Puxa, são tantos! Mas ‘Tubarão’ me marcou muito pela época (eu era criança) e a novidade da ação e o suspense!”

 

“E.T. – O Extraterrestre” (1982)

lenoradebarros

 

 

 

Lenora de Barros, artista: “E.T., com certeza! Adoro, me emociono, viajo no tempo… Pode ser piegas, mas toda vez que assisto me sinto criança de novo…”

suzanavillasboas

 

 

 

Suzana Villas Boas, produtora: “Nem precisei pensar muito. ET!!!! Porque é a fantasia de todo mundo. Encontrar um ser de outro planeta. E como cantava Raul Seixas: ‘ô seu moço do disco voador, me leva com você pra onde você for’. Esse filme já é um clássico e eterno. Choro sempre e já vi mil vezes”.

mariamanoella

 

 

 

Maria Manoella, atriz: “E.T.! Um dos primeiros filmes que assisti no cinema. Outro dia assisti de novo com meu sobrinho Bento e me emocionei, chorei feito criança! Acho que esse é o grande mérito do filme, emocionar até hoje espectadores de todas as idades.

“Inteligência Artificial” (2001)

raficfarah
Rafic Farah, arquiteto e designer: “Apesar de ser uma maneira muito particular de como americanos encaram a maternidade, meio doentio, acho, mas ficcionalmente e tecnologicamente é factível. Também uma crítica de como a sociedade americana encara o outro”.
Você também pode gostar