Patrick Diter: ele perde o endereço, mas não a piada
Patrick Diter: ele perde o endereço, mas não a piada || Créditos: Reprodução

Empresário francês perde batalha judicial e terá que demolir château de mais de R$ 350 milhões

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Patrick Diter: ele perde o endereço, mas não a piada
Patrick Diter: ele perde o endereço, mas não a piada || Créditos: Reprodução

Dono de um château histórico localizado na Riviera Francesa, o empresário francês Patrick Diter recebeu na última semana uma ordem judicial para que a propriedade de quase 3 mil metros quadrados de área privativa seja demolida em um prazo máximo de 30 dias. Diter a comprou em 2000, quando então sua área total não passava dos 200 metros de área privativa, e durante anos a aumentou com seguidas reformas pelas quais nunca recebeu autorização oficial da localidade de Aix-en-Provence. As obras incluíram as construções de uma piscina olímpica, adega subterrânea, dois heliportos e mais um monte de benfeitorias.

Vizinhos dele, todos igualmente multimilionários, acharam por bem denunciá-lo às autoridades de lá por causa desses “puxadinhos de luxo” aparentemente ilegais, o que fizeram em 2009, e o caso se arrastava na justiça da França desde então. E sobre a decisão recente pela demolição, para a qual não cabem mais recursos, Diter a recebeu com ironia, posando ao lado de um trator para os fotógrafos na frente de seu Château Diter como se não fosse nada demais.

Sem contar o que já gastou com advogados durante todo o imbróglio, o prejuízo de Dieter vai desde o US$ 1,8 milhão (R$ 9,7 milhões) que ele desembolsou pelo endereço com 18 suítes que em breve será colocado “na chón” aos mais de US$ 65,5 milhões (R$ 351,6 milhões) que ele usou para ampliá-lo. E o pior é que existem várias outras propriedades de alto padrão na mesma região em que fica a dele correndo o risco de terem o mesmo destino, algumas inclusive pertencendo a gente muita conhecida (e, em alguns casos, também muito poderosa) nos dois lados do Atlântico. (Por Anderson Antunes)

Você também pode gostar
Solidão Pandemia

Depois da tempestade

O restaurante que eu frequentava antes da pandemia reabriu. Esteve fechado por meses, e eu o tinha como…