09.11.2020  /  12:01

Vida de ex-presidente dos EUA não é fácil: veja as regras que Trump terá que seguir assim que deixar a Casa Branca

Donald Trump
Donald Trump || Créditos: Reprodução

Tão logo cair na real e entender que vai ter mesmo que dizer adeus à Casa Branca em 20 de janeiro de 2021, Donald Trump voltará a ter uma vida normal, certo? Na verdade, longe disso, já que existe uma série de regras que ex-presidentes dos Estados Unidos são obrigados a cumprir quando deixam o cargo oficialmente, e Glamurama aproveita o clima eleitoral que ainda paira sobre o país (e que, graças à teimosia de Trump, que se recusa a reconhecer a vitória de Joe Biden, deverá perdurar por semanas e talvez até meses) para listar alguns desses “must do’s”. Continua lendo… (Por Anderson Antunes)

Adeus, volante!
Adeus, volante! || Créditos: Reprodução

Trump nunca mais vai poder dirigir em uma estrada aberta

Tá certo que o atual presidente americano nunca foi visto com muita frequência ao volante, mas ser proibido de dirigir talvez o deixe incomodado. E no caso dos ex-presidentes dos EUA, a proibição tem a ver com os segredos que eles levam consigo quando deixam o poder. Como terão agentes do Serviço Secreto cuidando de sua segurança pelo resto da vida e em tempo integral, guiar seus carros sozinhos e, por consequência, se expor ao risco de serem sequestrados, é algo que ficará no passado deles.

Os "briefings" continuarão chegando...
Os “briefings” continuarão chegando… || Créditos: Reprodução

Eles podem deixar o trabalho, mas o trabalho não os deixará

Muita gente pode ficar surpresa ao descobrir que ex-presidentes dos EUA continuam sendo informados sobre assuntos delicados de estado mesmo depois do fim de seus mandatos e pelo resto de suas vidas. É que os segredos que dizem respeito à segurança dos americanos não têm data para expirar, e nesse caso o melhor sempre é compartilhar essas informações preciosas com todos que podem contribuir para o bem comum de todos. Sem falar dos riscos que eles continuam correndo mesmo na “aposentadoria”, claro.

Leitor de jornais vale?
Leitor de jornais vale? || Créditos: Reprodução

Mesmo não sendo fã de livros, Trump terá que erguer uma biblioteca

Trump não costuma ler nem seus próprios livros, e o máximo de leitura diária que ele pratica é ficar a par do que é escrito a seu respeito nos jornais dos EUA. Ainda assim, uma lei americana estabelecida em 1955 obriga todos os ex-ocupantes da Casa Branca a construírem bibliotecas em algum lugar de lá nos quais serão arquivados todos os documentos não sigilosos relativos aos seus mandatos. Dizem que Trump pensa em mandar fazer a sua na Flórida, onde ainda conta com bastante apoio popular.

E olha que os agentes do Serviço Secreto dos EUA nem gostam muito dele
E olha que os agentes do Serviço Secreto dos EUA nem gostam muito dele || Créditos: Reprodução

Trump terá ainda menos privacidade como ex-presidente

Uma das maiores reclamações feitas por ex-presidentes americanos tem a ver com a privacidade que eles perdem por conta do cargo que ocuparam. Barack Obama, por exemplo, já disse que suas férias são complicadas, uma vez que ele e sua família não podem fazer nada sem uma penca de homens armados ao seu redor. Trump terá o mesmo problema, com um diferencial: dizem que os agentes do Serviço Secreto dos EUA que o servem não lhe suportam, inclusive porque o atual mandatário americano teria infectado vários com Covid-19 quando contraiu a doença e se recusou a fazer quarentena.

Essa certamente vai doer
Essa certamente vai doer || Créditos: Reprodução

Ele precisará abrir mão de seu smartphone

Por fim, Trump terá que abrir mão do smartphone que usa desde que se tornou presidente. O aparelho é proibido para chefes de estado americano, por questões de segurança, mas ele conseguiu convencer sua equipe de segurança que o uso do seu é fundamental para seus afazeres diários. Mas esse “privilégio” cairá por terra quando o republicano se tornar um ex-presidente, o que certamente dificultará sua vida no Twitter. Aliás, Trump também perderá a proteção que o microblog dá a líderes mundiais para que publiquem de tudo, até mesmo “fake news”, e assim correrá o risco de ser banido para sempre de seu canal de comunicação com os apoiadores número um.