“Veneza”, novo longa de Miguel Falabella, estreia nesta quinta-feira com prêmios na bagagem, grande elenco e um sopro de esperança. Glamurama entrega os detalhes

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
0
Cena do longa “Veneza”, de Miguel Falabella || Créditos: Divulgação

“Veneza”, o mais novo trabalho de Miguel Falabella, estreia nesta quinta-feira nos cinemas. Gravado há três anos, entre Espanha, Uruguai e Itália, o longa é baseado na peça teatral “Venecia”, do escritor argentino Jorge Accame, e dirigido, idealizado e roteirizado por Falabella. Com participação de Eduardo Moscovis, Dira Paes, Carol Castro, Roney Villela e Danielle Winits, além da atriz espanhola Carmen Maura, a trama conta a história da cafetina Gringa, interpretada por Carmen, que sonha em ir atrás do único homem que já amou, em Veneza.

O roteiro traz em suas entrelinhas o poder dos sonhos que, apesar das dificuldades, as prostitutas do bordel de Gringa, interpretadas por Dira Paes, Carol Castro e Danielle Winits, mantêm. “‘Veneza’ nos lembra que é muito difícil realizar um sonho sozinho. Em um momento em que não conseguimos sonhar porque estamos ocupados tentando nos defender, o filme vem nos banhar de magia”, refletiu emocionada Dira Paes em entrevista ao Glamurama.

Para Falabella, o longa, que é o segundo de sua carreira depois de “Polaroides Urbanos”, de 2008, é o trabalho que marca sua maturidade artística. “É um filme poético, inspirado nas fábulas latinas, que permite encher a vida de metáforas. Ele é intenso e desejo que seja visto, também, fora do Brasil. A primeira vez que vi a peça, o texto me encantou. Acho que a América Latina é muito sonhadora. É muito mágica”, disse o diretor.

Já para Carmen Maura, musa do cineasta espanhol Pedro Almodóvar, “Veneza” é diferente de tudo o que ela já fez. “Toda vez que eu venho para a América Latina acontecem coisas diferentes. É de fato um filme muito especial. Não posso obrigar ninguém a ir ao cinema, mas se eu fosse você iria’’, aconselha a atriz.

Quem também está tocado pela estreia do longa é o ator Eduardo Moscovis: “A gente que é artista sabe a dificuldade que é sobreviver da arte e das nossas crenças. Ao contrário do que muitos pensam, nossa vida não é fácil. Não temos dinheiro sobrando, não roubamos o dinheiro de ninguém. Somos muito honrados. Tudo o que fazemos é para levar um sopro de possibilidade, esperança e beleza à sociedade. Só o Uchoa [Julio Uchoa, produtor] e o Miguel sabem o que fizeram para colocar esse barco em pé. Falar de ‘Veneza’ agora, neste momento, é muito potente. Revisitar essa história me toca profundamente”.

Premiado com os Kikitos de melhor direção de arte para Tulé Peake e melhor atriz coadjuvante para Carol Castro, no Festival de Gramado de 2019, o longa-metragem também levou a Lente de Cristal de melhor roteiro para Miguel Falabella no 23º Festival de Cinema Brasileiro de Miami, e recebeu quatro troféus no Los Angeles Brazilian Film Festival: melhor direção de fotografia para Gustavo Hadba, melhor ator para Eduardo Moscovis, ator coadjuvante para André Mattos e atriz coadjuvante para Carol Castro. Play para o trailer.