30.04.2016  /  13:39

Vai pedalar neste sábado, glamurette? Dicas de especialista, aqui!

|| Créditos: iStock
Xô, preguiça! || Créditos: iStock

Nada melhor do que aproveitar o fim de semana para espantar a preguiça e colocar a bicicleta pra jogo – tanto para passear sem compromisso por aí quanto para focar em um exercício mais potente. Mas precisa tomar alguns cuidados, viu, glamurette? Glamurama conversou com um ortopedista para te ajudar a pedalar sem maiores riscos. Com a palavra, Sérgio Mauricio, membro titular da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e Exercício. (por Michelle Licory)

Equipamento necessário

“Os cuidados necessários antes de qualquer esporte devem ser levados em conta nesse momento. Uma avaliação cardiológica e ortopédica é fundamental para evitar lesões maiores. Em relação ao ciclismo especificamente, os itens de segurança são fundamentais. Jamais pedale sem capacete, e ele deve estar bem afivelado. Os óculos são fundamentais, evitando que poeira ou insetos caiam em seus olhos. Luvas não só protegem suas mãos em uma queda, como também evitam que elas escorreguem do guidão quando suadas, causando um acidente. O ideal é que se pedale com sapatilhas de ciclismo, pois você consegue não só empurrar, como também puxar o pedal, facilitando em muito o trabalho. Para os que não estão acostumados a pedalar com os pés presos ao pedal, sugiro colocar o cadarço de seus tênis para dentro, evitando que o laço agarre na corrente. Bermudas de ciclismo também são importantes para evitar aquela dores e assaduras no períneo, causadas pelo selim duro ou atrito excessivo”.

Eu não nasci de óculos, eu não era assim

“O ciclismo, por não se tratar de um esporte de impacto, tem baixa prevalência de lesões.  Podemos arriscar dizer que os excessos e os erros de técnica, principalmente os de mau posicionamento, são as principais causas de lesões, isso quando não falamos das quedas. Como dito acima, equipar-se é fundamental, mas alguns cuidados a mais devem ser tomados. Para aqueles que sofrem de miopia ou astigmatismo, o uso de óculos de grau ou lentes de contato são fundamentais. Hoje existem modelos de óculos esportivos, nos quais pode-se acoplar lentes de grau. Lembre que no ciclismo altas velocidades são alcançadas, chegando a 60km/h nas descidas. Não enxergar um buraco ou pedra no caminho pode ter consequências desastrosas”.

 || Créditos: iStock
|| Créditos: iStock

Seu banco está baixo demais?

“Entre as lesões ortopédicas, apesar de não tão frequentes, a tendinite patelar e a tendinite do Aquiles podem acontecer principalmente quando excessos são cometidos ou quando músculos e tendões estão enfraquecidos e encurtados. Tendinite patelar [dor na frente dos joelhos] pode ser um sinal de que seu banco está baixo demais, ou que você está exagerando na marcha pesada. Já a tendinite do Aquiles gera dor na parte posterior do calcâneo, ou logo acima dele. O mau posicionamento das sapatilhas pode estar relacionado. Alongamentos diários, antes e depois do esporte, devem ser feitos, não esquecendo da coluna lombar nesse momento. Musculação ou exercícios funcionais duas vezes por semana auxiliam em muito na prevenção de lesões, promovendo força, flexibilidade e resistência”.

Jamais largue o guidão

“Esta aí o grande medo dos ciclistas: as quedas. Antes de pedalar, jamais esqueça de checar os freios e os pneus. De três em três meses, leve sua bike para uma revisão e lubrificação das peças. Evite locais com muito fluxo de trânsito, e sempre antecipe problemas, como um carro que pode abrir a porta ou uma criança que pode pular na sua frente. Porém, quando surpreendido por uma situação de queda, jamais largue o guidão! Se perder o equilíbrio, tente até o fim retomar sua rota, concentrando em não parar de pedalar, fazendo força nos pedais. No caso da queda ser inevitável, tente se jogar na calçada, longe dos carros, ou em um gramado, amortecendo a queda. As lesões mais frequentes nesses casos são as escoriações, porém, mais raramente, ocorrem fraturas de clavícula e punho, que dão um pouco mais de trabalho e devem ser avaliadas por um ortopedista para definir o tratamento”.