Os chefs Gabriel Matteuzzi e Guilherme Vinha do Restaurante Tête à Tête

Os chefs Gabriel Matteuzzi e Guilherme Vinha do Restaurante Tête à Tête || Créditos: Divulgação

Um papo “tête-à-tête” com os chefs Gabriel Matteuzzi e Guilherme Vinha

02.08.2017  /  16:49

Que tal uma lista dos melhores restaurantes para apreciar seu vinho favorito neste inverno? A gente dá a dica em uma série que desvenda as cozinhas de mais personalidade em São Paulo e que, de quebra, têm uma vantagem muito especial: cliente Mastercard Platinum ou Mastercard Black pode levar o vinho da adega de casa para o restaurante sem taxa de rolha na primeira garrafa. Descubra mais sobre o nosso primeiro escolhido da série, o Tête à Tête, em São Paulo.

Os chefs Gabriel Matteuzzi e Guilherme Vinha do Restaurante Tête à Tête || Créditos: Divulgação

O sonho de criar um menu com clássicos da cozinha mundial somados a um toque bem brazuca uniu os chefs Gabriel Matteuzzi e Guilherme Vinha para criar o restaurante Tête à Tête, onde a dupla utiliza sua criatividade e experiência internacional para oferecer uma mistura de sabores associadas à cozinha contemporânea mundial.

Em 2014, os chefs passaram 25 dias na Europa em busca de inspirações gastronômicas pela Espanha e França para começar a empreitada. A viagem, apelidada de “16 estrelas em 20 dias”, foi fundamental para chegar ao conceito de sua cozinha: o modo de preparo de um prato nunca pode ultrapassar a importância do ingrediente. A parceria deu tão certo que garantiu ao restaurante sua primeira Estrela Michelin em 2016. Confira o nosso papo “tête-à-tête” com a dupla de chefs.

O vinho perfeito para a mesa do Tête à Tête:

Gabriel Matteuzzi: “O que acompanha o seu prato perfeito [risos].”
Guilherme Vinha: “La Part du Colibri (Vincent Caillé) côt 2015”

*Em tempo: Por falar em vinho perfeito, que tal você, cliente Mastercard Platinum ou Mastercard Black, seguir a dicas dos chefs e levar aquela garrafa de vinho especial bem guardada para ser compartilhada com os convidados de sua mesa no Tête à Tête Restaurante? Mas lembre-se que este benefício só é válido para a primeira garrafa de vinho.

Uma lembrança da viagem “16 estrelas em 20 dias”:

Gabriel Matteuzzi: “Tivemos experiências incríveis em todos os lugares que passamos, tivemos a oportunidade de nos conhecer melhor, traçar o tipo de trabalho que gostaríamos para nosso negócio. Mas acho que quando fomos no Celler de Can Roca, em Girona, na Espanha, onde o Juan Roca mostrou todo o restaurante, ou quando estivemos em Laguiole, na França, e fomos junto com a equipe de cozinha até a casa do Michel Bras colher as ervas que seriam usadas no restaurante, são dois momentos que marcaram.”
Guilherme Vinha: “As visitas a Michel Brás, em Laguiole, e El Barri dos irmãos Adria.”

O que não pode faltar e o que não entra na sua cozinha:

Gabriel Matteuzzi: “Raízes do Ubaldo, o peixe fresco do Caué ou um bom azeite de oliva. O que não entra? Caldos industrializados, peixes congelados ou outros produtos que fogem da nossa filosofia de trabalho.”
Guilherme Vinha: “Azeite, manteiga, pão, queijo e ovo não podem faltar. Já produtos de baixa qualidade não entram na cozinha.”

Um ingrediente que é a cara do Brasil e outro que o país tem que conhecer:

Gabriel Matteuzzi:  “Temos muitos! Mas a mandioca e seus derivados (farinhas, goma, tucupi, etc). Para conhecer, o pequi, algo que só vi aqui no Brasil.”
Guilherme Vinha: “Mandioca é a cara do Brasil e cambuci para conhecer melhor.”

Uma comida de rua: 

Gabriel Matteuzzi: “A bem feita! Seja um hambúrguer, um cachorro quente ou até mesmo um pastel, se está bem executado é ótimo.”
Guilherme Vinha: “Sanduíche de pernil!”

Um tempero: 

Gabriel Matteuzzi: “Pimenta do reino recém-moída e flor de sal! Presente em quase todas as nossas finalizações.”
Guilherme Vinha: “O clássico cheiro verde + alho e cebola.”

Um ídolo da gastronomia: 

Gabriel Matteuzzi: “Um? Impossível! Juan Roca, Michel Bras, Alex Atala, Ferran Adrià e Gaston Acurio influenciam meu trabalho diariamente.”
Guilherme Vinha: “Ferran Adria.”

Sabor da infância:

Gabriel Matteuzzi: “Pudim de leite da minha mãe, a paella da minha tia, o bolo de banana do meu avô, são vários que trazem lembranças.”
Guilherme Vinha: “Mate com limão.”

O que só o Tête à Tête tem?

Gabriel Matteuzzi: “O Guilherme e o Gabriel. Acho que nosso diferencial aos outros talvez seja nossa cumplicidade, a visão que nós temos, bem parecida em muito pontos, de como deveria ser um restaurante.”
Guilherme Vinha: “As pessoas especiais que constituem o restaurante.”

Uma receita a quatro mãos:

Gabriel Matteuzzi: “O Tête à Tête é o conjunto de duas experiências, duas vivências. Temos vários pratos de traduzem isso. Ceviche de peixe ao leite de tigre de tucupi e maracujá, os cogumelos salteados com chocolate e iogurte de cabra e ceviche de raízes ao leite de cambuci, por exemplo.”
Guilherme Vinha: “Croquete de pato (um enrola e o outro frita).”

A cereja do bolo: 

Gabriel Matteuzzi: A estrela Michelin. Nunca pensamos se algum dia ganharíamos uma e ainda menos no nosso primeiro ano de casa. Foi determinante para o nosso restaurante.”
Guilherme Vinha: “Família e amor!”

+teteatete.com.br/