Almoço de Poder com o advogado André de Almeida.

Um papo com André Almeida, o advogado brasileiro acusado de ter ligação com a CIA

23.12.2018  /  7:57

Almoço de Poder com o advogado André de Almeida

As pedaladas do ex-ciclista profissional que impetrou a “maior ação do mundo” contra a Petrobras, na Justiça de Nova York, conseguiu fechar o “quinto maior acordo da história” – US$ 3 bi (!) – , ajudou a derrubar o governo de Dilma Rousseff e quer ser lembrado como o homem que salvou a companhia.

Da revista PODER de dezembro / Por Fábio Dutra / Fotos Paulo Freitas

“Não podemos confirmar nem negar que este seja nosso primeiro tuíte.” Assim a CIA, a agência de inteligência do governo dos Estados Unidos, inaugurou a conta institucional que mantém até hoje no Twitter, numa brincadeira com a frase clássica usada sempre que há indagações sobre sua misteriosa atuação mundo afora. O advogado André de Almeida nega que tenha qualquer ligação com a entidade, como já foi diversas vezes acusado pela esquerda brasileira, mormente aquela organizada no Partido dos Trabalhadores (PT). “CIA pra mim é coisa de filme”, garante, com uma veemência que destoa da comunicação oficial dos espiões. Mas ter tomado a iniciativa de impetrar uma class action contra a Petrobras em Nova York para ressarcir as perdas dos investidores gringos que detinham ações da estatal petrolífera negociadas na bolsa de valores de lá, combinado com o fato de ter morado e trabalhado nos Estados Unidos, tendo sido funcionário da Organização dos Estados Americanos, a OEA, e presidente da FIA, a Federação Interamericana de Advogados, formou o caldo que os petistas queriam para tachá-lo de agente do imperialismo. Ele dá de ombros: “Tenho uma ação para que a Petrobras pague o mesmo aos acionistas brasileiros por uma questão de equidade, já que voluntariamente entrou num acordo na Justiça de Nova York e não seria razoável os nacionais não serem devidamente indenizados aqui também”, defende-se. Foi acertado o pagamento de US$ 3 bi em três anos – a primeira parcela já foi quitada. Os advogados costumam ficar com 20% desses valores nesse tipo de ação. Apesar de ter sido o provocador da demanda, a praxe é o juiz escolher o escritório a ser o titular da ação conforme o tamanho das perdas do cliente que representa, e Almeida acabou preterido. Entretanto, por ser brasileiro e por conhecer o assunto numa profundidade incomum, conseguiu fazer um acordo para entrar na espécie de consórcio de causídicos que lograram convencer a empresa a assinar um acordo. Ele faz mistério quanto à parte que lhe coube nesse latifúndio, mas admite que recebeu um bom quinhão. “Trabalhar de graça nem relógio…”, ri.

Almoço de Poder com o advogado André de Almeida

A trajetória desse belo-horizontino, nascido por acidente em Salvador, onde viveu apenas seus primeiros quatro dias na Terra, é bastante incomum. Sua vida profissional começa no esporte, mais precisamente no ciclismo de estrada. Apesar de ser torcedor fanático do Atlético Mineiro, nas disputas individuais era extremamente bem-sucedido, tendo vencido praticamente tudo que disputou, no Brasil e lá fora. Tudo começou como uma brincadeira pedalando com os amigos na avenida Bandeirantes, famosa em Belo Horizonte pela pista de cooper que reúne os atletas locais, até que foi recrutado para a equipe de ciclismo montada por um professor polonês da faculdade de educação física da UFMG. Leszek Szmuchrowski logo viu talento no garoto e o recomendou a uma equipe de Varsóvia, para onde ele se mudou aos 17 anos. Ficou lá até os 19 – “fui adolescente e voltei homem” – e após breve período em casa se mudou para Atenas e depois para a Bélgica. Um trauma acabou com o sonho ciclístico: no campeonato mundial disputado em Atenas, em 1992. houve um tombo no pelotão e ele foi engolido pelo boliche humano quando acreditava que reunia todas as condições de sair vitorioso. Resultado: nunca mais quis subir numa bicicleta e voltou à terrinha para estudar Direito na PUC Minas. De lá, pós-graduação nos EUA, quatro anos trabalhando por lá e a volta, dessa vez para São Paulo e para abrir seu próprio escritório. “Hoje eu não sou mais mineiro, sou do mundo…”, conclui. Mesmo assim, achou tempo na concorrida agenda (depois da Petrobras o telefone do seu escritório, que já era bem requi sitado para grandes contenciosos societários, é bom que se diga, não para de tocar) para escrever à Conmebol, com cópia para a diretoria do Atlético Mineiro, sugerindo que seja cancelada a final da Copa Libertadores da América deste ano, entre os argentinos Boca Juniors e River Plate, por conta dos episódios de violência que pipocaram no noticiário, e em seu lugar seja organizado um rápido torneio quadrangular – pentagonal, se optarmos pelo preciosismo – entre os cinco últimos campeões, qual sejam, Corinthians, Atlético Mineiro, Grêmio, Atlético Nacional e o próprio River. Nem o clube, nem a confederação se deram ao trabalho de responder, e a final foi transferida para o estádio Santiago Bernabéu, em Madri – o que rendeu o apelido, dado pela imprensa argentina, de Copa Colonizadores da América à edição 2018 do torneio continental.

Almoço de Poder com o advogado André de Almeida

Aos 44 anos, André de Almeida nitidamente ainda é muito ligado ao esporte. Ele chega para almoçar conosco n’A Figueira Rubaiyat da rua Haddock Lobo, nos Jardins, em São Paulo, e essa é a primeira impressão que surge ao ver a figura alta e magra, aquele perfil de maratonista e atleta de alta performance que é moda entre os grandes executivos por aqui desde os anos 1990 pela influência do então onipresente na imprensa Abilio Diniz, e que hoje é quase um dever-ser entre os yuppies mundo afora. Ele confirma, conta que já correu várias maratonas, malha forte todo dia, entre corrida e natação – preferida atualmente por não ter impacto e ser mais difícil se lesionar –, e toma dois cafés da manhã por dia – às 6h, com as filhas, e às 8h e pouco depois da maromba e antes de seguir ao escritório, onde chega às 9h e sai sabe-se lá deus que horas. Também já jogou muito futebol e ainda hoje faz parte de uma equipe que disputa o campeonato interno do Clube Pinheiros, mas não entra em campo, fica ali na torcida e está sempre presente nos churrascos pós-jogo. Pelo regulamento, esses esquadrões devem levar o nome dos times profissionais que disputam o Brasileirão e ele, talvez por ser advogado e apaixonado pela profissão, escolheu fazer parte do Fluminense. Cioso da saúde, ele diz que “vai mais leve” ao escutar, cardápio em mãos, a picanha escolhida por um dos comensais presentes e pede um peixe do dia com salada. Desiste ao descobrir que naquele dia era salmão e muda prum bife de chorizo. E com arroz biro-biro. Nada xiita, característica que também demonstrou ao comentar política e processos ao longo da conversa.

Almoço de Poder com o advogado André de Almeida

Em meio ao comando de um escritório com filiais em cinco cidades e quase 200 advogados, peladas no clube, rotinas de pai coruja, dois cafés da manhã por dia, entrevistas e cartas jocosas a confederações de futebol, Almeida ainda arrumou tempo para escrever um livro. Ele acaba de lançar A Maior Ação do Mundo, em que narra de um ponto de vista pessoal e acessível aos não iniciados na novilíngua jurídica o passo a passo da class action contra a Petrobras desde a ideia inicial até a briga pela liderança da ação e o convencimento do juiz a aceitá-la, entremeando narrativas sobre sua trajetória numa espécie de autobiografia. Agradável e elucidativo, é leitura fundamental para quem se interessa pela questão da estatal que protagonizou a vida política nacional nos últimos quatro ou cinco anos. É possível notar ali a razão principal de os escritórios terem aceitado que ele continuasse a fazer parte do processo mesmo o juiz não tendo escolhido seu escritório para liderar: ele conhecia o Brasil e sabia como emocionar o julgador com a contextualização do noticiário absurdo de ruas tomadas que o titular da corte distrital do sul de Nova York, Jed S. Rakoff, assistia incrédulo. Além disso, foi dele a ideia de arredondar a hiperbólica alcunha de “maior ação do mundo” para que o juiz sentisse que estava fazendo história e, portanto, não rejeitasse de forma alguma o seguimento da ação. O arremate foi a demonstração de que não era um caso como o dos fundos abutres contra a Argentina, quando uma decisão da Justiça americana vinculou o próprio Estado argentino e sua situação fiscal e econômica, mas tratava-se de uma empresa privada que tinha o controle do governo e o Brasil como maior acionista, mais simbólica para nós do que a General Motors ou a Coca-Cola para eles, que havia sido saqueada e o ressarcimento serviria inclusive para salvar sua credibilidade e garantir sua sobrevivência pós-crise. “Eu não quero ser lembrado como quem destruiu, mas como o homem que salvou a Petrobras”, repete, tal qual um mantra, a todo momento. Colou. Pelo menos por lá. Em terra brasilis a “maior ação do mundo” foi gasolina no incêndio nacional. Almeida foi procurado pela turma do impeachment, capitaneada pela histriônica Janaína Paschoal, professora afastada da Faculdade de Direito do Largo São Francisco – de onde também vieram Michel Miguel Temer, Alexandre de Moraes, Modesto Carvalhosa, Hélio Bicudo, Miguel Reale Jr. e tantos outros atores importantes no processo de derrubada do governo Dilma Rousseff em parceria com Eduardo Cunha, Moreira Franco, Romero Jucá e outros caciques do poderoso PMDB – por ter sido eleita deputada estadual por São Paulo. Mas preferiu não se manifestar para não politizar e prejudicar o andamento da ação nos Estados Unidos. Tampouco teve qualquer contato com o pessoal da Lava Jato, de quem ele diz não ser fã: “Foram muitas arbitrariedades e ilegalidades para perseguir um ‘fim’ maior, mas essa é a porta de entrada da barbárie, não podemos apoiar esse tipo de condução”, diz, para estupefação geral. O advogado também admite que foi procurado por praticamente todos os políticos de direita antes das eleições deste ano, mas só se aproximou do Partido Novo – por iniciativa própria, aliás. Flertou com uma candidatura a senador oferecida a ele pelo commander-in-chief do grupo ultraliberal João Amoedo, mas desistiu na cara do gol. Da esquerda e de outros diversos interessados no arquivamento da ação, diz que sofreu todo tipo de pressão. “Parecia novela: ligações anônimas, ocupação do meu escritório carioca pelos funcionários da Petrobras que protestavam contra, corte da internet e do telefone da sede paulista por 14 dias, uma loucura”, lembra. André de Almeida admite que teve alguma influência no desenlace do processo de impeachment e no desenlace do sufrágio, mas c’est la vie. Para surpresa geral, ressalvou Fernando Haddad ao relatar detalhadamente toda essa onda contra si: “Acho ele fantástico, ponderado, quase mineiro na maneira de enfrentar as coisas, muito civilizado; não concordo com a ideologia dele, mas ele tem postura e tem lado, o que é bom, ainda mais nesse ambiente fisiológico”. Frederico, filho do presidenciável, aliás, fez uma entrevista de emprego em seu escritório no passado – antes da ação movida em Nova York. Ele lembra que entrevistou pessoalmente o rebento de Haddad, teve boa impressão do garoto, mas após algumas perguntas mais delicadas decidiu por não contratá-lo: “Ele não estava preparado para defender o capitalismo”, brinca, sobre o fato de o rapaz ser politizado e firme em suas posições ideológicas. Também é só elogios para Nelson Tanure, a quem chama de “maior gênio do capitalismo brasileiro” (Almeida representa o polêmico investidor que fechou o Jornal do Brasil na briga societária da Oi, empresa de telefonia em recuperação judicial), e vê com bons olhos Paulo Guedes, virtual
ministro todo-poderoso do governo Bolsonaro e famoso por sua visão econômica ortodoxa radical. “Mas esse pessoal do mercado fala muito, agora eles vão ter que entregar…”, reflete. O Congresso é conservador e deve dificultar, mas ele segue vislumbrando bom ambiente para os adeptos do Estado mínimo: “Se ele fizer um décimo do que diz que vai fazer, já tá ótimo”. Pensando bem, está melhor que ótimo. Com a carteira de clientes que tem e o volume de dinheiro prometido por Guedes em suas privatizações, a conta é fácil: negociar a Petrobras é melhor negócio do que processá-la. “Foram arbitrariedades e ilegalidades para perseguir um ‘fim’ maior, mas essa é a porta de entrada da barbárie, não podemos apoiar”