10.06.2016  /  18:46

Um giro pela feira de arte Parte, que acontece no Shopping Cidade Jardim

Geral da feira || Créditos: Divulgação
Geral da feira || Crédito: Divulgação

Glamurama esteve nesta quinta-feira na inauguração da Parte, feira de arte que acontece no Shopping Cidade Jardim, em São Paulo. Única feira dedicada exclusivamente à arte contemporânea, ela é voltada a bons negócios e obras mais acessíveis, como as edições numeradas. Com apenas 18 expositores – uma versão maior, com 40, deve acontecer no Clube Hebraica até o fim do ano –, a feira trouxe novidades como consultores de arte e galerias virtuais, a grande tendência do mercado, que normalmente não tem espaço nas feiras maiores. “Não queremos fazer mais do mesmo, nossa ideia é trazer coisas que não são tão acessadas como os escritórios de arte, e fazer essa ponte com o público”, comenta Tamara Perlman, idealizadora da feira ao lado de Lina Wurzmann e Carmen Schivartche.

Um dos maiores destaques da feira, a editora Papel Assinado, de Teca Lacerda, trazia ótimos achados. Pequenas obras de Arthur Luiz Piza – espécie de fenômeno da feira, gravuras numeradas do artista brasileiro radicado em Paris estavam em 4 dos 18 estandes -, edições de Tomie Ohtake e Volpi e exclusivos de Antonio Peticov e Hércules Barsotti a preços interessantes. Também por lá, a gravura de Gilvan Samico, “O Rapto do Sol”, dos anos 1970, que chamou a atenção de Paulo Vicelli, diretor de relações institucionais da Pinacoteca. Animada com o espaço, Jacqueline Shor expunha a obra de Fabiano Al Makul, empresário que se dedica cada vez mais à fotografia, sua grande paixão. “Eu vejo beleza onde ninguém vê, nos pequenos detalhes, em cenas triviais e cotidianas”, conta ele ao lado de “Poliptico Vermelho”, obra composta de 16 fotografias tiradas em parte com seu iPhone, inclusive.