14.07.2020  /  10:14

Trump é ameaçado de processo por usar clássico do musical ‘Cats’ na trilha sonora de seus comícios. Aos detalhes!

Trump em um de seus comícios, e Webber || Créditos: Reprodução

O mais novo desafeto de Donald Trump é… o lendário Andrew Lloyd Webber! Glamurama explica: é o que dramaturgo britânico que recentemente liberou parte de seu acervo online não gostou nem um pouco de saber que o presidente dos Estados Unidos e candidato à reeleição para a Casa Branca anda usando um de seus hits mais famosos nos comícios que tem feito pelo país. A música em questão é “Memory”, que faz parte da trilha do musical “Cats”, considerada pela musicologista americana Jessica Sternfeld “a canção mais bem-sucedida da história dos musicais”.

Responsável por muitos dos maiores sucessos do West End de Londres e da Broadway, Webber foi informado no fim do mês passado pela atriz e cantora Betty Buckley, que atuou na versão para os palcos de Nova York de “Cats”, sobre o uso indevido e para fins políticos de sua obra. A partir daí a empresa Really Useful Group, que cuida dos direitos musicais dele, enviou um “cease and desist” (“cessar e desistir”, jargão legal para “pare logo, se não vem processo!”) para o comitê de campanha do republicano.

No passado, Trump também foi acusado por grupos como os Rolling Stones e o Panic! at the Disco, além de cantores como Rihanna e Neil Young, de usar singles deles sem a devida autorização em suas andanças nos EUA. Os herdeiros de Tom Petty, que morreu em 2017, também foram atrás dele pelo mesmo motivo. A propósito, Buckley sugeriu aos assessores do chefe do executivo americano que usem outro hit de Webber nos comícios dele: “Poor Fool, He Makes Me Laugh”, que basicamente se traduz como “Pobre Tolo, Ele Me Faz Rir”, e faz parte da trilha de “O Fantasma da Ópera”. (Por Anderson Antunes)