02.11.2020  /  9:00

Transação recorde de R$ 13 bilhões em bitcoins está na mira da autoridades chinesas e já levou empresário para cadeia

O valor confiscado é recorde no universo dos BTCs
O valor confiscado é recorde no universo dos BTCs || Créditos: Reprodução

Uma transação recorde de US$ 2,3 bilhões (R$ 13,2 bilhões) em bitcoins realizada em 2018 está na mira da autoridades chinesas. Tudo por conta da prisão recente do empresário chinês Xu Mingxing, fundador do site de criptomoedas OKEx, uma das maiores da China. Ele foi detido dias atrás sob suspeita de fraude e lavagem de dinheiro, e uma das acusações tem a ver com o montante bilionário de dois anos atrás, que foi movimentado na plataforma financeira.

Por meio de nota, a OKEx garantiu que todas as transações feitas em seu sistema são legais, e que quando existe algum tipo de suspeição em relação a uma, é de seu interesse informar os órgãos responsáveis. O problema é que até agora ninguém conseguiu identificar nem a conta de destino e muito menos a de origem dos tais bilhões, que no momento estão confiscados pela justiça chinesa em uma espécie de “limbo virtual”.

Por causa do escândalo envolvendo Mingxing, clientes do OKEx ao redor do mundo também estão tendo dificuldades para sacar os valores em BTCs que mantinham em suas contas no site, e é possível que esse dinheiro já tenha sido desviado ilegalmente para outros fins. O caso é emblemático porque a China é o maior mercado mundial bitcoins, ainda vistos com muita desconfiança pelos banqueiros tradicionais, e tudo que acontece lá costuma ter impactos em outros territórios. (Por Anderson Antunes)

Xu Mingxing, o fundador do OKEx
Xu Mingxing, o fundador do OKEx || Créditos: Reprodução