10.03.2020  /  12:06

Tom Brady poderia se “reinventar” como comentarista esportivo? Tudo indica que sim

Os ex-colegas de gramados Tony Romo e Tom Brady || Créditos: Reprodução

Caso Tom Brady opte por se despedir dos gramados ao invés de trocar de time, como cogita o marido de Gisele Bündchen desde que chegou ao fim a cláusula de exclusividade que o prendia ao New England Patriots, ele bem que poderia considerar uma segunda carreira como comentarista esportivo em algum grande canal dos Estados Unidos. É que vários ex-colegas de profissão do jogador de futebol americano estão migrando com sucesso pra telinha nos últimos tempos, com destaque para Tony Romo, que já namorou Jessica Simpson, e que acaba de assinar um mega-contrato com a rede americana de televisão “CBS”.

Pelo acordo, Romo vai atuar como comentarista da CBS Sports pelos próximos 10 anos em troca de um salário anual de US$ 18 milhões (R$ 84 milhões) – bem mais do que o atleta aposentado costumava receber quando defendia o Dallas Cowboys, um dos maiores times da NFL (a Liga Americana de Futebol). Peyton Manning, que também se despediu do esporte não faz muito tempo e já foi o nêmesis de Brady, é outro que pode seguir o mesmo caminho e no momento negocia uma parceria similar com a “ESPN”, também de longo prazo e com vencimentos anuais na casa das dezenas de milhões de dólares.

Em meados de fevereiro, foi noticiado nos EUA que Brady poderia estar perto de assinar com o Tennessee Titans, que é sediado em Nashville, o que levou o principal astro da equipe a avisá-lo que sua presença por lá não é bem-vinda. De qualquer forma, dinheiro certamente não é um problema para aquele que já foi descrito como o maior nome da história da NFL. “Eu não preciso me preocupar com isso porque minha mulher ganha bem mais do que eu”, Brady disse em maio do ano passado, sem o menor problema, em uma entrevista que deu para Jimmy Kimmel. (Por Anderson Antunes)