17.05.2018  /  12:05

Todos conectados! No Dia Internacional da Internet, 5 previsões sobre o futuro da rede

Mudanças drásticas estão por vir… || Créditos: Getty Images

Que todos estejam devidamente conectados. Nesta quinta-feira é dia de celebrar a “World Wide Web”. Data criada em 2006 pela Organização das Nações Unidas, o Dia Internacional da Internet substituiu o Dia Mundial das Telecomunicações estabelecido 150 anos antes. Comemorações mais do que merecidas à parte, a ocasião acabou se transformando mesmo em um convite ao pensamento sobre essa tecnologia, cujo uso em massa é relativamente recente e da qual a maioria de nós é completamente dependente.

Sendo assim, que tal pegar carona na data especial para ponderar sobre o que vem por aí? Continua lendo que a seguir a gente lista 5 previsões para o futuro nem tão distante assim da rede… (Por Anderson Antunes)

Pedir a senha do Wi-Fi será coisa do passado || Créditos: Getty Images

As conexões serão instantâneas e permanentes

Lembra dos tempos das conexões discadas quando não dava pra usar a internet e fala ao telefone ao mesmo tempo? Isso se tornou coisa do passado desde a ascensão da banda larga e do Wi-Fi, e em breve esses dois também serão extintos. Isso porque já tem gente desenvolvendo modelos de conexão instantânea, como acontece quando a gente tira o telefone do gancho e ouve o sinal de linha. Estes também ficarão online permanentemente, sendo que já existem lugares no mundo onde a “Internet Universal” está sendo testada e os resultados tem sido os melhores possíveis até agora.

O #FaceLeaks foi só um aperitivo… || Créditos: Getty Images

A privacidade das pessoas será uma “commodity”

Essa questão meio que já está acontecendo (Hello, #FaceLeaks!), mas as mudanças para os próximos anos na área deverão ser drásticas. Com cada vez mais pessoas usando a rede e a interação entre humanos nos quatro cantos do mundo prestes a atingir seu ápice, o aumento dos riscos em relação a tudo que for compartilhado online poderá criar um problema sem precedentes. Nessas horas geralmente surgem aqueles com soluções rápidas e, em muitas vezes, caríssimas. E aí que mora o problema, já que quem aderir a essas novidades poderá acabar contribuindo para a criação de uma elite virtual, algo que vai completamente contra a ideia democratizadora da internet.

As máquinas estarão no controle de tudo || Créditos: Getty Images

A “Internet das Coisas” vai ser integrada ao dia a dia

Pra quem não sabe do que se trata, “Internet das Coisas” entende-se a conexão virtual entre objetos físicos, como veículos, prédios e todos os outros que possuem tecnologia interligada. Nas residências mais modernas já existem sistemas que permitem escolher a temperatura do banho ou controlar a intensidade da luz de certos ambientes antes de se chegar em casa, mas no futuro absolutamente TUDO estará conectado. É por isso que tem gente que teme uma eventual revolução das máquinas contra os humanos, como Stephen Hawking bem alertou em 2014. Mas isso é outra história…

Saem os humanos, entram os robôs virtuais || Créditos: Getty Images

“Operários virtuais” poderão substituir pessoas

Falando em revolta das máquinas, uma das projeções para o futuro da internet envolve justamente esse tema: máquinas e aplicativos extremamente inteligentes controladas online que poderão roubar o emprego de muita gente de carne e osso. Como tudo tem um lado bom existem teorias a respeito disso que pregam a ideia de que a necessidade de se trabalhar também vai diminuir, e em algum momento o balanço entre o necessário e o ideal será encontrado. Algo como um mundo com menos médicos e advogados e muita mais pessoas sem precisar dos serviços de ambos.

A realidade do futuro será virtual || Créditos: Getty Images

A realidade virtual tornará a internet mais “real”

Se já é possível “viajar o mundo” surfando na rede, daqui um tempo isso ficará ainda mais perto de ser verdade. O rápido desenvolvimento e a popularização de ferramentas de realidade e inteligência artificiais abrirá espaço para um verdadeiro universo 100% online. O Google e o Facebook estão entre aqueles que mais se aproximam disso com seus respectivos Google Glass e Oculus Rift. Mas esse mercado, que já é bilionário, está apenas engatinhando e promete deslanchar de vez nos próximos dez anos. Imagina viver numa Matrix constante acessível por lentes de contato de realidade aumentada, como aquelas que a Microsoft planeja vender a partir de 2020?