04.01.2018  /  18:49

Tapete vermelho do Globo de Ouro promete protestos neste domingo… E não será a primeira vez!

Quem já usou preto em tapetes vermelhos: Whoopi Goldberg, Jennifer Garner, Angelina Jolie e Julia Roberts || Créditos: Getty Images

O esquenta para o Globo de Ouro que rola neste domingo, em Los Angeles, está dos mais polêmicos. Isso porque este ano não foi dos melhores para Hollywood, recheado de escândalos envolvendo produtores e atores. Podemos esperar protestos e discursos inflamados durante a cerimônia. E nem o tapete vermelho vai escapar dessa vez. Já é dada como certa a adesão de várias atrizes ao movimento contra o assédio sexual “Time’s Up”, que convocou as mulheres a usarem preto na premiação.

Mas há quem não concorde com esse protesto. Segundo a revista “People”, há um outro grupo que acredita que as mulheres devem aproveitar para comemorar o empoderamento que vêm conquistando a cada dia, brilhando muito. A convocação é para que usem roupas superbrilhantes, que demonstrem o poder feminino.

Eventos com grande concentração de celebridades, como o do Globo de Ouro, já foram usados antes para importantes protestos. Havia um tempo, aliás, em que esse tipo de atitude era visto como ultrajante. Abaixo, Glamurama relembra sete momentos em que a voz ativa falou mais alto.

OSCAR 1973

A história da política moderna em “red carpets” teve início na cerimônia do Oscar de 1973, quando Marlon Brando foi eleito Melhor Ator por “O Poderoso Chefão”. Brando boicotou a premiação e enviou em seu lugar a ativista ameríndia Sacheen Littlefeather. Ela recusou o prêmio em nome do ator e fez um discurso contra o retrato estereotipado de índios nativo-americanos no cinema e televisão, assim como o fracasso do governo federal em honrar os tratados com eles. Depois disso, a Academia proibiu que indicados enviassem representantes em seus lugares.

OSCAR 1993
Em 1993 foi a vez de Richard Gere soltar a voz. Ao subir ao palco da premiação para apresentar as indicações de Melhor Direção de Arte, o ator aproveitou a transmissão global para questionar o líder chinês Deng Xiaoping e condenar violações dos direitos humanos na China e no Tibete. Gere confessou que estava apenas esperando uma oportunidade grandiosa como o Oscar para mandar seu recado.

CANNES 2016

Festival de Cinema de Cannes 2016 foi palco de um importante momento para o cinema brasileiro: a première de “Aquarius”, de Kleber Mendonça Filho – único filme nacional concorrendo à Palma de Ouro da edição -, pôs fim a um jejum de oito anos sem competir no festival. Liderado por Sônia Braga, o elenco do longa aproveitou a visibilidade mundial e protestou ali mesmo, no tapete vermelho, contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, levantando papéis com dizeres como, “Pare o golpe no Brasil” e “Vamos resistir”.

OSCAR 2016
Ao receber o primeiro Oscar de sua carreira pelo filme “O Regresso”, Leonardo Di Caprio, ativista ecológico dos mais atuantes, soltou o verbo sobre as mudanças climáticas do planeta.

GLOBO DE OURO 2017
Meryl Streep, uma das campeãs em indicações no Globo de Ouro e no Oscar, discursou contra o mandato de Donald Trump.

SAG AWARDS 2017

Protesto pró-imigrantes feito pelo casal de atores Simon Helberg e Jocelyn Towne. Helberg, do elenco de “The Big Bang Theory”, riscou o tapete segurando a mensagem “bem-vindos refugiados”, enquanto Jocelyn escreveu na própria pele “Deixem eles entrar”.

MTV MOVIE AWARDS 2017 

Emma Watson no 2017 MTV Movie and TV Awards em maio de 2017 || Créditos: Getty Images

Durante a premiação do MTV Movie Awards, Emma Stone fez um protesto por meio de seu look ao aplicar no cinto o símbolo do GLAAD, grupo que luta em prol dos direitos da comunidade LGBTQ+. Em seu discurso, ela falou: “O primeiro prêmio de atuação na história que não separa os indicados com base em seu sexo diz algo sobre como percebemos a experiência humana. A mudança da MTV para criar um prêmio sem gênero significa algo diferente para todos. Mas para mim isso indica que atuar diz respeito a capacidade de se colocar no lugar de outra pessoa. E isso não precisa ser separado em duas categorias diferentes.” O vestido foi assinado pela marca de luxo australiana Kitx.