11.01.2020  /  8:44

Superprodução sci-fi e a chance de interpretar Bob Dylan: o futuro da estrela da vez Timothée Chalamet na telona

Bob Dylan e Timothée Chalamet || Créditos: Reprodução

O martelo ainda não foi batido, mas é quase certo que Timothée Chalamet será o escolhido para interpretar Bob Dylan em mais uma cinebiografia sobre o lendário músico, dessa vez encomendada pela Fox Searchlight ao diretor James Mangold, o mesmo responsável pelos hits “Logan” e “Ford vs. Ferrari”. O longa ainda está em fase de pré-produção, durante a qual elenco e equipe técnica são escolhidos e questões relativas a verbas para filmagem, cachês de atores e outros assuntos são tratadas, e portanto nada foi oficializado ainda.

O que se sabe é que o filme, que tem o título provisório de “Going Electric”, deverá abordar desde a ascensão de Dylan no universo musical à sua transformação em uma personalidade com alta importância cultural e política, lembrando que ele já foi interpretado na telona por Cate Blanchet, Heath Ledger e Christian Bale em “Não Estou Lá”, uma cinebiografia em estilo “diferentão” que nesse caso foi dirigida por Todd Haynes e rendeu até uma indicação ao Oscar para a atriz australiana.

Chalamet, de 24 anos, está no elenco do drama de época “Little Women”, que foi lançado no fim de dezembro e conquistou uma indicação de Melhor Atriz Coadjuvante no último Globo de Ouro para Saoirse Ronan (Renée Zellweger acabou vencendo na categoria por sua atuação em “Judy: Muito Além do Arco-Íris”). E no fim desse ano o jovem astro vai protagonizar a superprodução “Dune”, uma ficção científica pela qual recebeu um salário estimado em US$ 8 milhões (R$ 32,5 milhões). (Por Anderson Antunes)