16.06.2020  /  17:06

Sucesso de modelos transgêneros comprova a revolução no mundo da moda. Quem são as tops mais requisitadas do momento?

Lea T, Hunter Schaufer, Hari Nef / Crédito: Instagram

Já faz um tempo que a moda vem se reinventando para se adequar aos novos tempos, guiada por temas como empoderamento, autoaceitação, representatividade… E uma das mudanças mais marcantes foi o avanço da normalização de modelos transgêneros nos casts de trabalhos para grandes marcas, aumentando consideravelmente a inclusão nesse mercado tão disputado e questionado. E essas mulheres chegaram com tudo e ganharam status de top models, entre elas, Hunter Schaufer, Lea T e Hari Nef. No mês do orgulho LGBT+, confira oito poderosas que estão aí representando essa revolução.

Lea T

A brasileira ganhou fama ao participar de uma campanha da Givenchy em 2010 e, desde então, conquistou o mundo da moda internacional. Aos 39 anos, já ganhou um prêmio da Forbes, de mulheres que mudaram a moda italiana. Em 2017, Lea deu uma entrevista reveladora para a revista Playboy, onde falou sobre a sua cirurgia de mudança de sexo, realizada na Tailândia, em 2012, e comentou sobre a sua primeira relação sexual após o procedimento: “Foi fofo, mas a segunda vez foi melhor”.

Hunter Schafer

Hunter Schafer, de 21 anos, ganhou o coração do público ao interpretar a Jules na série “Euphoria”, da HBO. Antes disso, ela já era modelo e trabalhou para uma lista poderosas de marcas, como Miu Miu e Dior. Apesar de todo o sucesso, ela já desabafou para a mídia que começar sua carreira foi complicado devido à sua condição. ” Como uma pessoa trans, trabalhei muito para entender quem sou, solidificar e me apropriar disso. A ideia de criar uma nova identidade é assustador. Mas também me excita muito o desafio de continuar a me transformar e evoluir”, afirmou.

Hari Nef

Assim como Hunter, Hari já atuou em séries de TV. A atriz, de 27 anos, interpretou uma das amigas de Love na série ‘You’ e agora está ganhando espaço no mundo da moda, sendo a primeira trans a ter um contrato assinado na  concorrida agência IMG Models. Apesar de parecer nova no ramo, ela já tem grandes feitos: Hari foi a primeira modelo transgênero a desfilar para a Gucci na Semana de Moda de Milão em 2019.

Andreja Pejic

Antes mesmo da transição, Andreja já tinha destaque no mundinho fashion e participou de uma campanha de Jean Paul Gaultier. Hoje, atua como modelo feminina, mas reclama que as pessoas estão mais interessadas em saber sobre seu corpo e sua transição de gênero do que sobre o trabalho. “Algumas vezes, eu fico cansada de responder perguntas sobre a minha vagina”, disse Andreja Pejic  ao site Refinary29. “Minha história dá mais visibilidade para a minha carreira e me deixa mais memorável? Eu acho que sim. Mas tenho que ter a minha vida pessoal”.

View this post on Instagram

A poem.

A post shared by Andreja Pejic (@andrejapejic) on

Ines Rau

Além de grande ativista do movimento LGBTQ+, a modelo francesa se tornou a primeira playmate abertamente trans da Playboy. Ines tem 30 anos e fala abertamente sobre o tema em entrevistas, sempre levando representatividade por onde passa. “Toda beleza feminina deve ser celebrada”, afirmou. “Ninguém merece mais ser mulher do que aquelas que todos os dias sofrem abuso e que são tratadas como menos que nada”.

View this post on Instagram

Fuck. I miss everyone .

A post shared by INES RAU (@supa_ines) on

Juliana Huxtable

Juliana se destaca em diferentes áreas, como modelo, escritora e DJ. Seu trabalho já foi exposto e apresentado em diversos museus como o MoMA e o New Museum, em Nova York. Aos 32 anos, Juliana também tocou no festival YAG, em 2018!

View this post on Instagram

HAD TO BUMP FROM FINSTA TO RINSTA 4 YALL

A post shared by LA MUÑECA / AREOLA GRANDE (@julianahuxtable) on

Carmen Carrera

Carmen participou da terceira temporada de RuPaul’s Drag Race. Desde então, a top de 35 anos passou pela transição. Na época do reality, Carmen ficou conhecida por ter alguns desentendimentos com Ru Paul, alegando transfobia. Segundo ela,  o programa não leva diversidade para o público por nunca selecionar transexuais (pelo menos não após transição de gênero).

View this post on Instagram

While on quarantine I started 2 new businesses. I’m super proud to announce that I am the CEO of @CC3_Entertainment representing some of the most inspirational and talented people who are changing culture today! 💜 #GirlBoss #BossLady #ImaBitchImaBoss 🌞 Also personally for me as a woman who STILL faces the adversities of simply being trans, to be able to harness the power and energy to represent the talent who is transgender and helping find work to keep them thriving is a true blessing! So thankful 🙏😌🙏 … More details to come! @angelitalovesyou @jenrufo @skincarebyhyram @allyberlin_ @kendravideckis @kateu11 @danelljleyva @_samanthalux @taddy808 @haleyvideckis @cc3_entertainment

A post shared by Carmen Carrera (@carmen_carrera) on

Valentina Sampaio

Outra brasileira brilhando internacionalmente, Valentina, cearense de 23 anos, foi a primeira trans a se tornar estrela da marca de lingeries Victoria’s Secret, posicionando a label nos novos tempos. Logo no começo da carreira, Valentina enfrentou muito preconceito, inclusive dentro da própria VS. O diretor de marketing Ed Razek pediu demissão logo após sua contratação. Mesmo assim, ela não desanimou: “É tempo de comemorar”, disse à imprensa. Rainha!