03.12.2018  /  17:17

Sophie Charlotte está pronta para viver mulheres poderosas em 2019: Gal Costa e Aracy Guimarães Rosa

Sophie Charlotte || Créditos: Reprodução Instagram

São muitos os comentários sobre “Ilha de Ferro”, série que estreou em novembro no Globo Play e conta histórias de homens e mulheres que trabalham em uma plataforma de petróleo. Um dos destaques da trama? A atuação de Sophie Charlotte, que vive com Cauã Reymond um dos casais mais conturbados da dramaturgia nos últimos tempos. Mas, enquanto celebra a repercussão deste trabalho, a atriz já se prepara para um 2019 power em que vai interpretar dois ícones brasileiros: Gal Costa e Aracy Guimarães Rosa.

Ilha de Ferro

Para este desafio, a atriz se preparou com a diretora e professora Ana Kfouri, e conta que está pronta para “causar” na web ao dar destaque à insanidade da personagem – inédita em sua carreira. “Dar voz à desfunção e à loucura, são um grande exercício para o ator”, conta Sophie ao Glamurama. “Olhar para o abismo dessa relação tão destrutiva dos dois e entender que esse desequilíbrio vinha de faltas, foi um processo grande de aprendizado, um privilégio.”

Sophie Charlotte em “Ilha de Ferro” na pele de Leona || Créditos: Reprodução/TVGlobo

O feedback de sua atuação na série tem deixado Sophie bem satisfeita, sobretudo pelo reconhecimento do talento: “É muito bacana quando as pessoas conseguem olhar para o seu trabalho respeitando o ofício. As pessoas já me acompanham há algum tempo, mas acredito que esse papel em específico mostrou amadurecimento em diversas questões. Eu arrisquei muito em Ilha de Ferro e vejo que isso foi muito valorizado”, completa. A segunda temporada da série tem estreia prevista para 2019, e a terceira já está sendo escrita.

Vem, 2019! 

Em 2019, o ritmo de gravações de Sophie Charlotte será intenso e ainda mais evolutivo. Quando voltar das férias de Ano Novo, que passará com o marido Daniel de Oliveira, o filho Otto (2 anos), e amigos em uma praia aqui pelo Brasil mesmo, dará vida para duas grandes mulheres: Gal Costa, no cinema e Aracy Moebius de Carvalho Guimarães Rosa, mulher de escritor Guimarães Rosa, em minissérie da Globo.

GAL COSTA 

Gal Costa em 1973 na primeira montagem da turnê “Índia” || Créditos: Arquivo Pessoal

Para esse trabalho, ela já deu início às aulas de canto para interpretar a cantora e conta: “É o projeto da minha vida. Posso dizer que é um momento de pura alegria me preparar para esse personagem, falar desse grande ícone que já tenho a sorte de conhecer pessoalmente. Ouço sem parar “A Pele do Futuro”, o novo CD dela. Tem muita coisa para rolar, mas o que posso afirmar é que estou feliz de ter essa oportunidade nesse momento da minha vida. Contar a história, as diferentes épocas e mostrar a turma dela vai ser o maior privilégio da minha vida”, conta. O longa será filmado ano que vem e ainda não tem previsão para chegar aos cinemas. Para viver a cantora baiana, Sophie, que não tem problema algum em mudar radicalmente seu estilo para um papel, conta: “Sempre passo por mudanças e para mim é um prazer, uma forma importante de me aproximar do meu ídolo. Como fã de Gal e atriz vejo isso como grande oportunidade.”

O ANJO DE HAMBURGO

Aracy Guimarães Rosa || Créditos: Divulgação

As preparações para a minissérie “O Anjo de Hamburgo”, em que vai interpretar Aracy Guimarães Rosa, também estão em ritmo acelerado. Na década de 1930, Aracy era funcionária do consulado brasileiro em Hamburgo, na Alemanha, em que comandava a seção de passaportes. Correu riscos e, por conta própria, salvou a vida de dezenas de judeus, que com a ajuda dela conseguiram emigrar para o Brasil e escapar da perseguição nazista. “A minissérie fala sobre uma heroína brasileira que não se vangloriou de seus fitos, mas fez porque achava que era justo e certo – ela é a única brasileira que tem uma árvore plantada no Jardim dos Justos, em Israel. Contar essa história da minha cidade natal, com muitas coincidências, me fala muito ao coração”, falou Sophie, super envolvida com o papel.

Last but not least: Ainda em 2019, ela retorna ao teatro com a peça “O Anjo de Pedro”. (Por Julia Moura)