30.09.2020  /  14:08

Sapatilha da brasileira Ingrid Silva, primeira bailarina do Dance Theatre of Harlem, entra para o acervo de museu americano

Ingrid Silva || Créditos: Steven Vandervelden e Reprodução Instagram

A carioca Ingrid Silva, primeira-bailarina do Dance Theatre of Harlem, em Nova York, vai ter bastante história para contar quando seu bebê nascer, daqui cinco meses. A sapatilha da marca Chacott, que ela costumava pintar no tom de sua pele  e usou na temporada de 2013 e 2014, vai se tornar parte do Museu Nacional de História e Cultura Afro-americana, em Washington. “Pensando aqui quando esta criança nascer, eu vou falar: vamos no museu, aprender sobre história Negra, e lá vou apontar pra ela: ‘Está vendo isso aqui, é a sapatilha da mamãe’. Que dia meus caros, que dia!”, comemorou a bailarina em seu Instagram.

Ingrid representa o Brasil no universo do balé clássico e mora nos Estados Unidos desde 2008. Para o Glamurama, a bailarina contou o motivo pelo qual pintava as sapatilhas no tom de sua pele: “A história de pintar as sapatilhas nunca foi por um ato de ativismo, eu estava encarando a uniformização da escola. Após muitos anos de conversa, a marca criou uma sapatilha da cor da pele, mas para mim, porque cada bailarino tem a sua sapatilha específica. Por mais que as marcas tenham começado a ter mais opções, ainda falta essa diversidade. Além disso, só existem só três tons e o negro é muito mais do que três tons. É mais uma barreira a ser vencida”.

E na entrevista, ela também falou sobre representatividade na companhia: “As sapatilhas já existem há 51 anos, quem criou essa uniformização foi o Arthur Mitchell, fundador da companhia. A meia-calça e a sapatilha são uma continuação do corpo do bailarino, por isso são rosas. Antigamente, essa arte era feita predominantemente por pessoas brancas, então o rosa seria o branco, ‘nude’. No Dance Theatre of Harlem, Arthur queria criar algo mais original, que transparecesse realmente seus bailarinos, o trabalho que eles fazem e o corpo que eles têm”, contou Ingrid.

 

View this post on Instagram

Pensando aqui quando está criança nascer eu vou falar assim: vamos no museu, aprender sobre história Negra, e lá vou apontar pra ela. Está vendo isso aqui é a sapatilha da mamãe 🥺❤️ Que dia meus caros que dia! Fazendo História novamente ✊🏾 – #Repost from @smithsonian To match her shoes to her skin tone, Black professional ballerina Ingrid Silva used to paint her preferred brand, Chacott, with foundation. Silva is from Rio de Janeiro, Brazil. She moved to New York City at the age of 18 to train with the Dance Theatre of Harlem, where she is now a principal company member. In 2017, Silva founded @empowher_ny, an international women's empowerment platform, and she also mentors ballerinas who are women of color. This pointe shoe is from the pair she wore during her 2013-2014 season, now in our @nmaahc's collection. Chacott made a shoe in Silva’s skin color in 2019. #BecauseOfHerStory #MuseumFromHome

A post shared by Ingrid Silva (@ingridsilva) on