29.06.2020  /  10:10

Saiba quanto os atores do elenco principal de ‘Friends’ ganharam em 2019 com reprises da sitcom

O elenco de “Friends” e, no destaque, Aniston, a mais famosa do sexteto || Créditos: Reprodução

Acredite se quiser, mas passados mais de 16 anos desde a exibição do último episódio inédito de “Friends”, a sitcom icônica continua sendo responsável pela maior parte da renda de todos os atores que integraram seu elenco principal. Isso porque a série só perde para “Seinfeld”, que também marcou época, no ranking daquelas que mais geram receitas com o lucrativo sistema de reprises que existe praticamente só nos Estados Unidos, e que por lá é chamado de “syndication”.

Por meio desse sistema, produtores podem negociar a venda dos direitos de exibição de seus programas diretamente com canais de televisão locais e, de uns tempos pra cá, com plataformas de streaming. A HBO NOW, por exemplo, no ano passado pagou US$ 425 milhões (R$ 2,3 bilhões) só para ter o direito exclusivo de levar ao ar todos os episódios das dez temporadas de “Friends” que foram produzidas, e de quebra ainda vai produzir um especial inédito sobre a atração.

Agora, aos números: em 2019, “Friends” rendeu US$ 1 bilhão (R$ 5,42 bilhões) com vendas de “syndication”, e desse montante pelo menos 20% foi parar nas contas de seus protagonistas e co-criadores (a dupla Marta Kauffman e David Crane). Jennifer Aniston (Rachel Green), Courteney Cox (Monica Geller), Lisa Kudrow (Phoebe Buffay), Matthew Perry (Chandler Bing), Matt LeBlanc (Joey Tribbiani) e David Schwimmer (Ross Geller) receberam, cada um, US$ 20 milhões (R$ 108,3 milhões) da soma bilionária, enquanto Kauffman e Crane dividiram entre si os US$ 80 milhões (R$ 433,3 milhões) restantes.

Para efeito de comparação, Aniston – a mais famosa entre os seis atores, e também a que sempre conseguiu os melhores trabalhos de todos eles – levou pra casa US$ 31 milhões (R$ 167,9 milhões) no ano passado, ou seja, quase 65% dos rendimentos da estrela ainda é proveniente de sua personagem mais famosa na telinha. (Por Anderson Antunes)