21.07.2019  /  9:00

Romulo Estrela lida bem com nudez – e a mulher dele também: “Temos um ciúme saudável, por isso estamos juntos há mais de dez anos”

Romulo como o bon vivant Marcos em ‘Bom Sucesso’ // Divulgação

Emprestando a pinta de galã ao bon vivant Marcos em “Bom Sucesso”, próxima novela das 7 da Globo, Romulo Estrela vai formar um triângulo amoroso com Grazi Massafera, que vive a protagonista Paloma, e David Júnior, que faz Ramon, amor de adolescência da moça e com quem ela tem uma filha. Romulo defende seu personagem, que aparecerá bem livre de roupas nas cenas iniciais. “Ele tem muita coisa do pai, Alberto (Antonio Fagundes). Mas vai pra Búzios, abre um bar e vai viver a vida que ele acha que é boa para ele: Ótimos livros, relações incríveis e perto da natureza. Enquanto isso, o pai fica trabalhando, lidando com os problemas da editora, que está à beira da falência. Mas ele não foge dos compromissos que tem com Alberto e com a irmã Nana (Fabiula Nascimento)”, garante o ator. “Quando o pai piora de saúde, ele volta para o Rio de Janeiro para ajudar a irmã a cuidar da empresa. O Marcos é um cara solar, fiel ao que acredita, às suas relações. Por isso ele se encanta pela personagem da Grazi. Quando se encontram no Rio, começa a saga dele, apaixonado e querendo ficar com ela. Está sentindo essa atração pela Paloma e vai atrás, mas não quer passar por cima de ninguém. O embate com o Ramon é natural. Ele é um cara que costuma correr atrás do que deseja”.

O ator comenta sobre o mote da novela, que é a relação com a finitude e a reflexão sobre como viver a vida. “Na verdade, há alguns anos já venho trabalhando isso. O entendimento de que as coisas têm um fim. Isso se deu muito na relação que tenho com meus pais, moro há mais de 15 anos longe de São Luís, no Maranhão, de onde eu vim. Vejo meus pais sempre no final do ano. Queria aproveitar mais o tempo perto deles, sempre fomos próximos, sinto falta. Então, venho pensando nisso, essa novela veio para amadurecer ainda mais”, reflete. “Pensar em como gastamos o tempo que temos aqui, não podemos negligenciar isso. Senão deixamos questões por resolver. Hoje eu procuro dar atenção redobrada no que faço aqui e agora. E tentar fazer boas escolhas, entendendo que nosso tempo tem valor, para não gastarmos de qualquer jeito”.

Sobre as cenas que exibem uma ‘certa’ nudez, Romulo comenta com modéstia. “Fiquei um pouco surpreso com as reações. Tem a cena em que o Marcos chega achando que vai salvar a Paloma na casa que ela trabalha e a toalha cai. Ele é um cara cheio de liberdade. Se está com a camisa aberta ou fechada, ou de sunga, para ele tanto faz, é bem resolvido. Vive num cenário de mar, areia, sol. Acho que estão prestando atenção porque vinha fazendo trabalhos que estava sempre muito vestido”, brinca. ” Meu corpo é ferramenta do meu trabalho, é uma extensão do meu ofício, algo natural. Neste trabalho este tipo de cena vai se repetir algumas vezes”.

O ator diz ainda que, apesar da exposição física que o personagem exige, não rola ciúmes em casa. “Minha mulher (Nilma Quariquasi) é uma grande companheira de vida e admiradora do meu trabalho. Somos um do outro. Trabalhamos juntos, ela trabalha com formação de marcas. E lida com tudo isso de uma maneira muito tranquila. Inclusive me ajuda nos momentos de criação do personagem. A gente tem um ciúme saudável, por isso estamos juntos há mais de dez anos”, diz sobre o relacionamento que gerou o filho Theo, de 3 anos.

A pergunta inevitável, ponto de partida do folhetim, também é feita para Romulo: O que você faria se tivesse poucos meses de vida? “Ah, sem dúvida aproveitaria bem as pessoas importantes para mim. Meu filho, minha esposa e meus pais”. (por Brunna Contini)