30.04.2019  /  10:58

Rodrigo Simas fala sobre aprendizados em “Órfãos da Terra”: “Somos filhos da mesma terra. A religião e a sociedade é que nos separam”

Rodrigo Simas revela como foi a pesquisa para a novela e revela: “eu aprendi de fato que somos todos filhos da mesma terra”

Depois de três novelas de época seguidas, é hora de um respiro para Rodrigo Simas! O ator está no ar na contemporânea “Órfãos da Terra” e animado com a nova fase. Aos 27 anos, uma das características mais marcantes de Rodrigo é a positividade, e não é à toa. O ator está em um de seus melhores momentos profissionais e pessoais. Ele assumiu o relacionamento com Agatha Moreira em janeiro deste ano e, desde então, os dois vivem se declarando no Instagram. “Agatha é muito parceira, e o fato de termos a mesma profissão só nos ajuda ainda mais”, diz.

Glamurama entrevistou o ator, que se mostrou econômico nas palavras, preferiu não se alongar no papo sobre o relacionamento e ‘otras cositas más’! (por Jaquelini Cornachioni)

Glamurama: E o namoro com Agatha Moreira como está?

Rodrigo Simas: Agatha é muito parceira, e o fato da termos a mesma profissão só ajuda ainda mais. Trocamos muita experiência e nos ajudamos, dando conselhos e criticando também!

Glamurama: Como define sua carreira até aqui?

Rodrigo Simas: Antes de tudo, sou muito grato por ter começado a fazer teatro e me encontrado nessa profissão. Eu me dedico e tenho muita seriedade com o meu trabalho. Defino minha carreira até aqui com três palavras: crescer, amadurecer e aprender. Tento tirar de cada experiência de vida e trabalho, coisas boas, lições.

Glamurama: Depois das novelas de época, “Órfãos da Terra” tem uma história contemporânea. Isso te anima?

Rodrigo Simas: Coincidentemente fiz três novelas de épocas seguidas… épocas diferentes. Apesar de “Órfãos da Terra” começar a trama em 2015, é mais recente. Em breve vão passar três anos e fica praticamente nos dias de hoje. Estou bem animado com a novela, que trata de um tema muito importante, no qual o Bruno se relaciona diretamente com as questões de pessoas em situações de refúgio.

Glamurama: A novela mostra a realidade dos refugiados. O que aprendeu até agora com isso?

Rodrigo Simas: Aprendi que somos todos filhos da mesma terra. Que a religião e a sociedade é que nos separam. Fiquei muito feliz de ver a gratidão das pessoas que vêm para o nosso país e são bem recebidas e acolhidas. Apesar de todo sofrimento, existem muitas pessoas que estão aqui para ajudar, se solidarizando com respeito ao próximo.

Glamurama: Como foi a pesquisa para essa novela?

Rodrigo Simas: Nós tivemos palestras com pessoas que estão nessa situação e que também trabalham diretamente com abrigos, ONGs, etc… Também pesquisei algumas páginas de fotógrafos que viajam para cobrir os campos, e assisti documentários.

Glamurama: Como será a relação desse triângulo amoroso em “Órfãos da Terra”? (Começa vivendo um romance com Valéria (Bia Arantes) e, depois, se apaixona por Laila (Julia Dalavia), que é apaixonada por Jamil (Renato Góes)

Rodrigo Simas: Bruno já começa a trama com um relacionamento meio abalado com a Valéria. Quando encontra a Laila, se encanta com a força e as diferenças culturais. Ele se interessa por isso, pela ingenuidade dela. Em relação ao ser correspondido, são outros quinhentos.

Glamurama: Bruno, seu personagem em “Órfãos da Terra”, gosta de fotografia. Compartilha essa paixão?

Rodrigo Simas: Tive sorte de compartilhar esse hobby que eu tenho na vida, sendo a profissão dele. O Bruno é nascido em São Paulo em uma família rica e filho único. Sempre viveu numa bolha e nessa época que se passa a novela, ele começa a ter suas questões com o pai, com a namorada, e quem está em volta. A partir do momento que se apaixona pela Laila (Julia Dalavia), a vida começa a tomar outro sentido. Admiro a vontade dele de ajudar o próximo.

Glamurama: Você vem de uma família de atores. Isso faz com que você se sinta mais pressionado dentro da profissão?

Rodrigo Simas: Não me sinto nem um pouco pressionado por isso. Pelo contrário, ter irmãos dentro da mesma profissão, me fortalece. Juntos, somos mais fortes e nos ajudamos a crescer e aprender.