Rir e chorar: Glamurama lista os altos e baixos do Prêmio Multishow

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
0

A 20ª edição Prêmio Multishow, que rolou na noite dessa terça-feira no HSBC Arena, na Barra da Tijuca, no Rio, foi cheio de situações constrangedoras e alguns bons acertos. A premiação, apresentada por Ivete Sangalo e Paulo Gustavo, contou com a participação de quase todo o elenco do programa “Vai que Cola”, com aparições surpresas de Cacau Protásio e Samanta Schmutz. O.K, mas nem as muitas piadas nos intervalos animaram o público…

Com muitos erros de áudio, falta de sincronização e improvisação dos apresentadores, um dos únicos pontos altos da premiação foi o dueto de Caetano Veloso com rapper Emicida, que cantaram “Tropicália”, “Abraçaço”, “A Bossa Nova é Foda” e algumas outras, com efeitos visuais que deixaram a apresentação ainda mais bonita. Sem dúvidas, foi o que salvou a noite, já que até Marcelo D2 se irritou com os problemas no áudio e chegou a jogar seu microfone no chão. “Se ligarem o som, fica melhor”, reclamou.

Bem eclético, o Prêmio contou com Skank, Naldo, Anitta – que levou os prêmios de Música-Chiclete e Melhor Clipe – , Exaltasamba, Marcelo D2, Cone Crew, Paula Fernandes e Zezé di Camargo e Luciano. No final foi a vez de Ivete -com o prêmio de Melhor Cantora- se apresentar, mas a demora da banda foi tanta que ela e Paulo Gustavo tiveram que sentar no degrau do palco para enrolar e improvisar discursos e piadas por longos minutos. “Isso que dá você não cantar só com um banquinho e um violão. Por que você não canta ‘Extravasa’”, brincou Paulo.

[galeria]553619[/galeria]