29.07.2015  /  11:58

Revista J.P: o professor da USP que enterrou a família no quintal de casa

||Créditos: FolhaPress
||Créditos: FolhaPress

Apaixonado por uma moça que não era mais virgem, em 1948, o professor da USP Paulo Ferreira de Camargo não suportou a pressão feita contra ela pela mãe e pelas duas irmãs e deu cabo das três no quintal de casa

Por Paulo Sampaio para revista Joyce Pascowitch 

Recém-formado em química pela Universidade de São Paulo (USP), o professor assistente Paulo Ferreira de Camargo, 26 anos, passou a se dedicar a experimentos estranhos no laboratório da faculdade, o que chamou a atenção dos alunos. Paulo chegou a fazer disparos com uma arma de fogo, alegando depois ser um teste para “verificar os efeitos de atritos nos materiais que compõem a pólvora”. Na ocasião, foi apenas repreendido pelos reitores da universidade. Ao mesmo tempo, porém, ele fazia perguntas esquisitas a seu superior, conhecido como doutor Hoffmann, a respeito dos melhores agentes químicos para efetuar a corrosão de cadáveres. Enquanto isso, contratou dois serventes para escavar um poço de 5 metros no fundo da casa onde morava, na rua Santo Antônio, 104, quase esquina da avenida Nove de Julho, centro de São Paulo. Os dois ganharam 2 mil cruzeiros e concluíram o trabalho no mesmo dia. Para a mãe e para as duas irmãs, que viviam com ele, Paulo disse que pretendia desenvolver uma fábrica doméstica de adubos e que não poderia proceder à engenhoca usando água encanada.

Até o dia 5 de novembro de 1948, apesar de os vizinhos e amigos estranharem o comportamento dele, Paulo Ferreira de Camargo era tido apenas como um sujeito excêntrico. Eis que, naquela data, ele apareceu dizendo que havia feito uma viagem ao Paraná com a mãe e as irmãs, e que as três tinham morrido em um acidente de automóvel. Como assim? E onde elas foram enterradas? Ninguém engoliu fácil a história. Já desconfiados, os conhecidos passaram a suspeitar fortemente de algo mais grave. Não só porque Paulo não apresentava sinais de tristeza, como, principalmente, porque acharam estranho que os jornais não tivessem noticiado uma linha sobre um acidente que deixou pelo menos três vítimas fatais.

||Créditos:
Um dos bombeiros dentro do poço onde os corpos das vítimas foram escondidos||Créditos: FolhaPress

EDUCAÇÃO RÍGIDA

O que se sabia da vida da família Camargo era que, tanto Paulo quanto as irmãs, órfãos de pai desde muito cedo, receberam uma educação rígida da mãe, Benedita Ferreira de Camargo, então com 56 anos. As meninas vestiam-se com extremo recato, mesmo considerando-se a época. De família quatrocentona, Benedita fez tudo para manter o padrão de vida dos filhos, mas suas reservas financeiras estavam se esgotando. As esperanças de arrimo foram todas depositadas no único filho homem. Pode-se imaginar o que representou para Benedita, naquele tempo, a revelação de que Paulo havia se apaixonado por uma moça que não era mais virgem. Tanto ela quanto as filhas, Maria Antonieta, 23, e Cordélia, 19, fizeram uma acirrada campanha contra o relacionamento de Paulo com a ex-balconista Isaltina dos Amaros, 23, que agora trabalhava como assistente de enfermagem. Para aumentar o peso sobre suas costas, o químico ainda tinha sob sua responsabilidade o tratamento de Maria Antonieta, diagnosticada com esquizofrenia.

Isso tudo foram conjecturas levantadas para justificar a atitude radical que o químico tomou para fazer as três desaparecerem. As denúncias cada vez mais frequentes levaram os investigadores da polícia a intensificar suas diligências até que, no dia 23 de novembro, eles chegaram ao poço no fundo da casa dos Camargo. Por causa do forte odor que subia pelo buraco, a polícia convocou o Corpo de Bombeiros para averiguar o que havia ali dentro. Junto com os oficiais, o próprio Paulo Ferreira de Camargo acompanhou os trabalhos de prospecção. Quando percebeu que eles estavam próximos de descobrir o que de fato acontecera, Paulo pediu para ir ao banheiro e, de lá, enquanto assistia pelo vitrô a retirada dos corpos das três mulheres do poço, matou-se com um tiro no coração.

Pelo que a perícia apurou, o crime foi perpetrado em duas etapas. Primeiro, entre 9h e 10h do dia 4 de novembro, o assassino matou a mãe e a irmã mais velha, Maria Antonieta, na sala de casa, e arrastou os corpos até o quintal dos fundos. A terceira vítima, Cordélia, que trabalhava como datilógrafa na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP, foi executada por volta do meio-dia, quando chegava em casa para almoçar. Antes de jogar os corpos emborcados no poço, Paulo encapuzou as três com panos pretos. Depois do resgate, um dos bombeiros morreu vítima de infecção cadavérica. Tanto Paulo Ferreira de Camargo quanto a mãe e as irmãs dele foram enterrados no cemitério da Consolação, em São Paulo. No dia 25, os jornais publicaram uma entrevista com a enfermeira, na qual ela confirmava a pressão da família contra o namoro com Paulo.

||Créditos: FolhaPress
À esq., a retirada dos corpos da mãe e das irmãs de Paulo pelos bombeiros; à dir., o edifício Joelma||Créditos: FolhaPress

OSWALD DE ANDRADE

A repercussão do caso na época foi tão escandalosa que levou até o modernista Oswald de Andrade a dedicar-se à elucubração dos motivos que teriam levado o assassino a agir tão estupidamente. Entre 11 e 16 de dezembro de 1948, Andrade escreveu uma série de cinco artigos sobre o episódio. Publicada na Folha da Manhã com o título “Crime sem castigo”, a série recebeu chamada de capa no jornal. Neles, além de (Fiódor) Dostoiévski, Oswald de Andrade evocou Jean-Paul Sartre, mais especificamente O Ser e o Nada. Em um dos artigos, Andrade causou polêmica ao justificar a atitude do assassino, atacando a moral conservadora da época. Escreveu ele: “Com a violência da censura ancestral, Paulo viu agigantar-se diante dele a família inútil. A psicogênese do crime evidentemente já trabalhava em seu inconsciente. Chegou o momento em que ele gritou ‘não!’ àquela pobre gente, que representava a incompreensão e o tabu das velhas castas e dos superados preconceitos”. O caso ainda inspirou a jornalista Helena Silveira, autora de uma peça chamada O Poço. O espetáculo marcou a estreia do Teatro Cultura Artística.

Por causa de vários eventos nefastos registrados no mesmo lugar, o terreno onde ficava a casa dos Camargo passou a ser considerado macabro. Muito antes do chamado “crime do poço”, em um tempo em que sequer haviam abolido a escravatura, aquele pedaço funcionou como pelourinho para castigar negros desobedientes. Bem depois do crime, em 1974, no mesmo terreno, um incêndio de proporções devastadoras levou à ruína o famigerado edifício Joelma, provocando a morte de mais de 170 pessoas e deixando outras 300 feridas. Com um projeto arrojado para a época, o edifício de 1971 tinha 25 andares, dez de garagem e, de acordo com a Joelma S/A Importadora Comercial e Construtora, “estava dotado do mais moderno sistema anti-incêndios”. Para fugir do mau agouro, a construtora havia voltado a portaria do prédio para a avenida Nove de Julho, registrando assim um número diferente do da residência dos Camargo. Não adiantou. Depois do incêndio, o prédio ficou interditado para obras durante quatro anos. Em 1978, foi reinaugurado com o nome de Novo Joelma. Mais tarde, em 2000, sem nunca ter registrado uma ocupação completa, foi rebatizado como Edifício Praça das Bandeiras. Nada de fenomenal aconteceu desde então…