Mundão afora || Créditos: Getty Images

Revista J.P entrega quem são os glamurettes nômades hiperconectados, conscientes socialmente e, acima de tudo, curiosos

03.11.2019  /  9:00

Mundão afora || Créditos: Getty Images

Hiperconectados, conscientes socialmente e, acima de tudo, curiosos. Os viajantes de hoje não são mais os mesmos e buscam não apenas conhecer os melhores lugares para comer, se hospedar ou se divertir, mas, sim, aproveitar cada detalhe desse novo mundo que se forma.

Por Thayana Nunes

Mara Fainziliber || Créditos: Reprodução

Mara Fainziliber, colecionadora de arte, viaja atrás de história, natureza e muita arte, claro. Pula de alegria quando consegue juntar os três num roteiro só – o mais recente deu certo: foi para o Irã (1) (história), Turquia (mar) e para a Bienal de Veneza.

ESSENCIAL Ficar no melhor hotel de cada cidade, para relaxar depois de dias geralmente intensos.

NÃO VIVO SEM Bazares, roupas étnicas e comer peixe “selvagem”. EM 2019… “Já visitei a Antártida, vi a aurora boreal, na Islândia, fiz a rota da seda de trem entre Geórgia e Uzbequistão, conheci Butão, Panarea e Stromboli, Montanha dos Gorilas, em Ruanda, deserto da Namíbia, Mali e rio Tapajós.” Ufa!

QUER HISTÓRIA? “Estávamos muito interessados em entender melhor a vinda dos escravos para o Brasil, portanto visitamos alguns países da costa oeste da África, como Senegal, Gâmbia, Costa do Marfim, Gana, Togo e São Tomé e Príncipe, de onde vieram 5 milhões de escravos. O único jeito de fazer essa viagem é de navio. Outra dica é ir ao Irã: é a maior emoção descobrir Persépolis, um dos berços da nossa civilização, ainda bastante preservada.”

Muriel Matalon || Créditos: Reprodução

Muriel Matalon cada vez que entra em um carro, barco ou avião, respira fundo e mentaliza uma só palavra: “desfrute”.

ESSENCIAL Visitar um destino onde a natureza é particularmente dramática, como a aurora boreal (4), na Noruega, lago Titicaca (3) (Peru), deserto do Atacama (2) e Cordilheira dos Andes (Chile), Glaciares (Argentina), deserto de Sossusvlei (Namíbia), arquipélago de Galápagos, Fiordes, (Nova Zelândia) e cânion Duchesne (EUA).

NÃO VIVO SEM A emoção da arquitetura, de um espetáculo, uma obra de arte, um prato divino, vinho… “Também gosto de me associar a pessoas ou empresas que tenham a responsabilidade social como um importante valor.” EM 2019… “Comi o melhor tortelli di ricota da minha vida em Emilia-Romagna, uma comuna na Itália.”

QUER NATUREZA? “Se for para diversas regiões da África, definitivamente recomendo as acomodações e passeios a Wilderness Safaris. Já para ver a aurora boreal mais linda do mundo, vá para Tromso, na Noruega. Por lá, recomendo se hospedar no descolado Clarion Hotel The Edge e assistir à aurora boreal andando de dog sledding, um passeio de trenó puxado por cachorros da raça husky do Alasca.”

Bela Gil || Créditos: Reprodução

Bela Gil é uma verdadeira nômade e carrega a família para todo lugar. Acaba de passar um ano em Bra, cidadezinha na região do Piemonte (2), Itália, onde fez um mestrado em slow food.

ESSENCIAL Ir para a Amazônia. “Nos últimos anos tenho visitado algumas aldeias (1) no Pará, Acre e Amazonas. Vale muito a pena passar um tempinho numa aldeia indígena: é realmente uma mudança de vida e de visão de mundo.”

NÃO VIVO SEM Comida, claro, mas Bela é viciada em massagem e sempre experimenta uma diferente. E cinema, para entender o comportamento das pessoas: “É quase um passeio antropológico”. EM 2019… “Vale a pena conhecer a Via Orgânica, uma rota em Garibaldi, no Rio Grande do Sul: é ali que saem bons espumantes e vinhos produzidos de maneira orgânica – os hotéis também são incríveis.”

COMIDA. Sempre ela. Onde quer que Bela esteja, lá está ela conhecendo um cardápio orgânico ou vegano. Em Piemonte, Itália, provou o melhor macarrão dos últimos tempos: “Para um quilo de farinha, eles usam 40 gemas. O resultado é um macarrão megaleve, incrível”.

Manu Albuquerque || Créditos: Reprodução

Manu Albuquerque é arquiteta e fascinada por novas paisagens: um combustível para suas criações

TOP 3 DESCOBERTAS: Colômbia tem uma cultura e paisagens riquíssimas pouco divulgadas por aqui, além de superdiversificadas. Minha primeira parada foi em Bogotá, cidade grande, mas com uma vibe provinciana que te deixa bem à vontade. Muitos museus que valem a pena, e o bairro Chapinero é uma delícia para se hospedar. 2. A ilha de San Andrés (3) é um dos principais destinos caribenhos dos brasileiros. Não espere por glamour: o centrinho não é nada charmoso e há pouquíssimas opções para se comer bem, mas o mar faz tudo valer a pena: águas cristalinas e muita vida. É indispensável os passeios de barco e o lado oeste da ilha, mais selvagem. 3. Cartagena (4) , cidade mais charmosa cheia de vida, muita cor e história para contar. Hoje em dia está mais badalada, então conta com vários restaurantes gostosos e modernos, além de uma vida noturna bem agitada. Únicos pontos negativos: calor (quase insuportável) e a quantidade de turistas.

Manuela Rahal || Créditos: Reprodução

Manuela Rahal e sua agência de RP Rahall entendem de tudo quando o assunto é geração Z, millennials e influenciadores. Como viajam, o que buscam… Ela mesmo é um exemplo! “Para os millennials, viajar virou o grande investimento da vida. A maioria não quer pensar em comprar imóveis ou carros: a riqueza da vida está no conhecimento, e não existe aprendizado maior do que viajar.” “As melhores viagens são aquelas que te fazem sentir absolutamente nada, ou parte de tudo. Explorar a Escandinávia (3) talvez tenha sido o ponto alto da minha vida. A Islândia (2) é um sonho recorrente, ainda consigo sentir a temperatura da água congelante e a beleza das imensas – e quase extintas – geleiras.” “Marrocos (1) é outro destino que chama a atenção por ser uma versão brasileira de um universo árabe africano. É possível se identificar com a simplicidade e a pobreza, mas ao mesmo tempo se chocar com uma realidade tão distante de um país onde o Estado não é laico.”

COMO APLICATIVOS DE REDES SOCIAIS DETERMINAM A FORMA COMO ESSA NOVA
GERAÇÃO VIAJA? “Para a geração Z, por exemplo, o Instagram não tem o mesmo peso do que para os millennials, que vivem para essa ferramenta. Os Zs não costumam ter perfis bombados, eles preferem perfis secretos onde apenas amigos próximos os seguem. E por conta da idade que ainda não proporciona poder aquisitivo para grandes viagens, eles ainda optam por viajar em grupos, para lugares próximos. E tenho visto muitos deles viajando pelo Brasil ou mudando para a Espanha.”

Leo Neves || Créditos: Reprodução

Leo Neves, o stylist e designer carioca da marca supercool de acessórios WaiWai, não para: acabou de passar uma temporada curtindo o verão europeu – e já está preparando tudo para a próxima trip: Istambul, Éfeso e Capadócia (6), tá? PUGLIA, ITÁLIA “O melhor da culinária italiana neste paraíso está no restaurante Il Cortiletto (5).” TOSCANA, ITÁLIA “Para aproveitar a Toscana, escolhi o Il Pellicano (4), hotel icônico que fica em uma praia privativa.” BIARRITZ, FRANÇA “Não perdemos o Bar Jean para comer tapas e frutos do mar, além de tomar a famosa sangria do lugar.”