15.02.2014  /  8:30

Revista J.P apresenta as Carmens Mirandas dos nossos tempos. Chica boom chic!

Por Thayana Nunes para revista Joyce Pascowitch de fevereiro

Seja pelos mil e um badulaques, pela boca vermelha ou pelo jeito alegre de levar a vida, Carmen Miranda serve como eterna inspiração para mulheres de personalidade. Já no clima do Carnaval, J.P convocou uma turma cheia de estilo que relembra a artista: elas dispensam a caretice, apostam na ousadia e não têm medo de fazer pose

Chiara Gadaleta

POR AMOR

Quem conhece bem Chiara Gadaleta Klajmic sabe que ela é uma apaixonada pelo universo fashion. Idealizadora do SP.ECOERA, evento que incentiva o consumo sustentável, Chiara levou uma mala de looks para este ensaio. “Desde cedo tive vontade de me divertir com a moda e aproveitar as roupas para me comunicar”, conta. Os acessórios, outra paixão, são escolhidos de acordo com o seu humor no dia. “Agora, com cabelos bem curtos, estou novamente apaixonada por maxibrincos.”

Dannie Mendes

SANGUE BOM

Dannie Mendes é vocalista do projeto de música Rio Shock (aquele da canção chiclete “Moleque Transante”, que agitou este verão), mas passa longe do típico visual das funkeiras cariocas. “Meu estilo é mais minimalista, mas não saio de casa sem um turbante megacolorido”, conta ela, que ganha cada vez mais destaque entre as cantoras brasileiras. O melhor? Dannie não tem medo de abusar do humor e de elementos brasileiríssimos em suas produções, característica que ganhou mais intensidade por conta do Carnaval do Rio. “Vou todos os dias para blocos e já fui passista do Salgueiro. Foi assim que entendi que o visual faz parte de uma artista.”

Laura Taylor

FORA DA CAIXA

A cantora Laura Taylor, 30 anos, troca de roupa até cinco vezes por dia. Cada vez que chega em casa, cria um visual diferente – brincos enormes, turbantes, pulseiras e plataformas são comuns em seu guarda-roupa. “Me expresso por meio das minhas produções. Sempre curti um palco, adoro atenção”, brinca a vocalista da banda Bonde do Rolê, que mistura rock com funk carioca. O estilo autêntico não é de hoje: quando morava na Nova Zelândia, país de sua mãe, ela chegou a abandonar uma escola por não se encaixar no padrão exigido. “Cortei o cós de uma calça e misturei com o de outra, a diretora não gostou”, relembra Laura, que adora um brechó.

Carollina Falcão

FANTASIA

Todos os anos, a consultora de estilo Carollina Falcão aguarda ansiosa pelo Carnaval. A paixão pela festa faz parte de seu DNA. Nascida e crescida em Recife, a moça de 26 anos escolheu São Paulo para viver e trabalhar, mas faz questão de passar a folia na cidade natal, mas precisamente nos blocos de rua – a dica dela é o I Love Cafusú. Mas engana-se quem pensa que é só em Pernambuco que Caroll se joga nos looks megacoloridos. “Para minhas clientes, a primeira coisa que sugiro é investir em um acessório com cor.” Especialista em uma boa mistura, ela escolheu camisa florida comprada na Tailândia, saia feita por ela e brincão da avó para nossa foto.

Betina De Luca

QUESTÃO DE POSE

Foi só surgir a ideia deste ensaio que o nome de Betina De Luca foi colocado em coro pela redação. Pudera: aos 27 anos, a dona da marca Virzi + De Luca (ao lado da designer Marcella Virzi) tem o famoso “je ne sais quoi” na hora de se vestir. Conhecida por lançar moda em solo carioca, ela assume gostar de se montar desde pequena. “Me identifico com a extravagância e a mistura de cores de Carmen Miranda e o tropicalismo dos anos 1960.” Tudo, claro, com a maior naturalidade. “Por incrível que pareça, sou bem objetiva. Na maioria das vezes, já tenho o look ‘pré-definido.”

Georgianna Basto Richter

ALTA-COSTURA

Carmen Miranda fez parte da infância de Georgianna Basto Richter, 35 anos. Isso porque a marchande costumava visitar o museu dedicado à artista no Rio. Quando voltava para casa, inspirada pelo clima, mergulhava no armário da avó, Marlene Rodrigues dos Santos, elegante dama carioca. A “brincadeira” dura até hoje: o programa favorito dela e da irmã (a designer Constança Basto) é vasculhar o closet de Marlene. “Minha coragem na hora de montar uma produção vem daí.” Fã de acessórios máxi, ela cita o vestido Dior que ganhou aos 15 anos. “Um tomara que caia rosa com uma fenda que mostrava uma calça listrada. Mais Carmen, impossível!”