09.03.2020  /  12:10

Queda histórica nas bolsas faz fortuna do segundo brasileiro mais rico encolher quase US$ 1 bi

Jorge Paulo Lemann || Créditos: Reprodução

Nessa segunda-feira de cão em que os mercados mundiais derretem por causa da queda histórica na cotação do preço do petróleo, e também em razão das incertezas sobre o real impacto do novo coronavírus na economia global, o “prêmio” de pessoa que mais perdeu dinheiro nas bolsas mundiais até agora vai para o bilionário indiano Mukesh Ambani. Homem mais rico da Índia, com investimentos em várias indústrias e principalmente no setor de óleo e gás com sua Reliance Industries, ele viu US$ 5,6 bilhões (R$ 26,6 bilhões) de seu patrimônio se evaporarem apenas nas primeiras horas do dia – apesar de que ainda tem estimados US$ 42,2 bilhões (R$ 200,1 bilhões) na conta.

Completam o Top 5 dos maiores perdedores dessa segunda o rei do luxo Bernard Arnault (-US$ 5,4 bilhões/R$ 25,6 bilhões), o mega-investidor Warren Buffett (-US$ 3,6 bilhões/R$ 17,1 bilhões), o chefão do Facebook Mark Zuckerberg (-US$ 3,3 bilhões/R$ 15,6 bilhões) e o atual homem mais rico do mundo, Jeff Bezos, com menos US$ 3,2 bilhões (R$ 15,2 bilhões) em sua fortuna.

Em tempo: entre os brasileiros, o maior tombo na bolsa até agora foi o de Jorge Paulo Lemann, maior acionista da cervejaria Anheuser-Busch InBev e da Restaurant Brands International (que controla o Burger King) e segundo homem mais rico do Brasil depois do banqueiro Joseph Safra. Lemann, que há tempos enfrenta problemas com algumas de suas empresas, ficou US$ 997 milhões (R$ 4,73 bilhões) menos rico só nesse primeiro pregão da semana que promete ser dramática. (Por Anderson Antunes)