10.09.2018  /  15:07

Alexandre Nero, Isabel Wilker e Sergio Guizé estreiam a primeira fotonovela para Instagram… Vem!

Sergio Guizé, Isabel Wilker e Alexandre Nero na fotonovela “Casacaixa” || Créditos: Divulgação

Alexandre Nero, Sergio Guizé, Milhem Cortaz, Isabel Wilker e Mel Lisboa estrearam nesta segunda-feira uma novela diferente de tudo o que se tem notícia no Brasil. Feita exclusivamente para o Instagram, a “Casacaixa” explora por meio de fotos o centro de São Paulo, seus andarilhos, mendigos, poetas, prostitutas, inferninhos e até mesmo personagens míticos, como o Minotauro.

Na fotonovela, Alexandre Nero vive um poeta andarilho que tenta ajudar o Minotauro, interpretado por Guizé, a se encontrar nesse grande labirinto que é a cidade de São Paulo. “Foi uma noite intensa, fria, mas feliz. É excitante poder fazer arte com uma nova linguagem – e na companhia de amigos”, resumiu Guizé.

Mel Lisboa, que interpreta a musa Augusta, também “comprou” a ideia na hora: “Quando Ravel [Cabral, mentor e diretor do projeto] me chamou fiquei curiosa, primeiramente com o formato, porque nunca tinha visto nada parecido. Falei, ‘quero fazer’, antes mesmo de ler o roteiro. E quando recebi o roteiro, achei muito bacana, toda a ideia, a concepção. Tenho certeza que vai ser um sucesso”.

“O projeto nasceu da vontade de contar essa história, que é uma jornada noturna pelas ruas de São Paulo, onde a gente viaja para uma dimensão fantástica da cidade, com a expansão do Instagram, que é uma ferramenta visual com inúmeras possibilidades, mas que ainda não foi explorada como um veículo de storytelling”, explica Cabral para o Glamurama. “Em algum momento na vida todos nós temos que passar por uma jornada noite adentro. É esse o sentimento. É aí que essa história se comunica com todo mundo.”

A “Casacaixa” foi fotografada apenas com um iPhone 8S, com a proposta de realçar as características estéticas do próprio smartphone. “É um projeto feito no celular para ser consumido pelo próprio celular. Me impressona muito o smartphone e a internet como ferramentas. As possibilidades a se explorar ainda são muitas. Pra mim, é um instrumento de criação e fantasia, assim como o papel, caneta e a máquina fotográfica”, diz o diretor. Todas as fotos foram produzidas em apenas uma noite. O elenco e produção se reuniu no dia 12 de julho às 17h30 em um apartamento de esquina com a rua Augusta e rua Luís Coelho, em cima do BH Lanches, ponto dos modernos de madrugada, e às 3h30 tudo estava pronto.

Sobre a forma que o projeto foi realizado, sem nenhum ativo, Ravel fala: “Fizemos na guerrilha, é uma iniciativa francamente artística, o que confere uma liberdade artística muito grande. Fizemos o que acreditamos, tanto em roteiro quanto ao tipo de imagem e escolha de atores.”

Como será exibido
A fotonovela vai ao ar ao longo de 16 dias, a partir dessa segunda-feira no perfil de Instagram da plataforma @vuhaofficial. Os posts serão publicados sempre às 22h no feed da página, em um formato parecido com o de uma “tirinha de jornal”, explica Ravel. As fotos terão uma legenda de diálogo dos personagens e a “voz” do narrador em off costurando os episódios da história, que serão somados diariamente no feed. O elenco conta ainda com Marina Dias, Aline Filócomo, Fernanda Stefanski, Fernanda Souto, José Trassi, Sofia Botelho e Fernando Fecchio. “A primeira chamada da fotonovela foi feita com uma onda de publicações simultâneas de todo o elenco e produção, na última sexta-feira, às 22h em ponto, em total coordenação, o que gerou um fluxo intenso de seguidores”,

Curiosidades sobre as gravações
“No dia em que as fotos foram feitas, estava muito preocupado com o fato de levar atores com a importância de Nero e Guizé – que naquele momento estavam no ar como protagonistas na TV  -, para às ruas de São Paulo, em plena madrugada. Enquanto esperávamos um carro que iria nos levar para o local das primeiras fotos,  justamente os dois resolveram sair e ficar na porta do prédio. Foi quando apareceu uma senhora e chamou por um Sergio. O Guizé na hora foi receptivo com ela, falou: ‘Oi, tudo bem?’, quando ela passou reto e foi falar com o porteiro, que também se chamava… José!”, lembra Cabral divertido.

Expectativa
“Honestamente, espero que as pessoas se divirtam. Tenho um tremendo respeito pelo convite que fizemos a estes atores e pelo fato deles toparem. Não vamos agradar a gregos e troianos, e também vamos aprender em movimento o que pode ser melhorado neste novo formato”, finaliza o diretor.