Alexandre Nero
Alexandre Nero || Créditos: TV Globo

Um papo com Alexandre Nero sobre seu excêntrico guarda-roupa

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
0
Alexandre Nero || Créditos: TV Globo
Alexandre Nero || Créditos: TV Globo

Alexandre Nero adora um terno – e colorido. Glamurama – que há tempos presta atenção no guarda-roupa do ator – foi bater um papo com ele sobre estilo, “personalidade” e “ousadia”. “A maioria das pessoas, muito caretas, estão acostumadas só com preto, azul escuro e cinza. Já eu adoro sair desse lugar comum”. Vem ler! (por Michelle Licory)

“Meio cansativo”

“Não sei quantos ternos tenho, mas não é uma questão de perder conta. Acontece que as pessoas caíram na coisa do preto… É lindo, adoro, mas talvez por ter feito o Comendador [em ‘Império’], que só usava preto, quis fugir um pouco. E porque todo mundo usa preto. É meio cansativo. Eu tento ousar um pouco mais. Se vestir de preto é fácil, qualquer um sabe. Difícil é sair disso. Quem sabe se vestir em outra cor tem personalidade, ousadia, criatividade. Eu gosto e acredito que tenho isso tudo”.

“Ai, que ridículo”

“Uso cores um pouco mais diferentes. Tenho terno até verde limão. Fui na coletiva da novela [‘A Regra do Jogo’] com ele, mas só usei o blazer. Engraçado porque depois vejo os comentários sobre a minha roupa na internet… ‘Ai, que ridículo, que absurdo’. A maioria das pessoas, muito caretas, estão acostumadas só com preto, azul escuro e cinza. Qualquer coisa que saia disso é muito estranho pra elas. Já eu adoro sair desse lugar comum, não quero ser assim. Quero brincar com as coisas”.

“Ou está um pouco mais gordo”

Quem é o estilista preferido de Alexandre? “Aqui no Brasil o Ricardo Almeida é o grande cara da alfaiataria. Colocou o nome do país num patamar alto de estilo e criatividade. Tem um corte ótimo… É o nosso principal nome”. Será que o ator demora muito para se arrumar? “Depende do dia, do astral. Às vezes você não está se sentindo bem, ou está um pouco mais gordo…”

“Muitas coisas que não uso, para ter opção”

Bom de fazer mala? “Não… Faço grande sempre. Até porque gosto de usar uma mala muito maior do que a quantidade de roupas, para não ter que dobra-las na volta. Não quero ficar arrumando nada. E levo bastante coisa mesmo. Sou um cara de Curitiba, e lá faz quatro estações em um dia só… Sempre levo coisa de frio e bermuda para o calor. E tem cidade que você não sabe o tipo de evento que terá, se tem que usar terno ou pode ser mais relaxado… Levo muitas coisas que não uso, para ter opção”.