Paul Auster || Créditos: Divulgação

Personagens urbanos serão tema da conferência de Paul Auster no Fronteiras do Pensamento

18.06.2019  /  14:25

Paul Auster || Créditos: Divulgação

Um dos principais ficcionistas contemporâneos, o escritor americano Paul Auster será o conferencista do Fronteiras do Pensamento, nesta terça-feira (19), em São Paulo, que tem como tema central Sentidos da Vida. Auster foi convidado para falar de si, de sua literatura e de seus personagens, que se parecem com pessoas comuns – urbanos, enfrentam conflitos, mas também descobrem sentido na afetividade e nas relações cotidianas.

O talk do escritor, as 19h45, será ministrada por videoconferência. Após ter confirmado presença no evento, Auster comunicou estar impossibilitado de viajar para fora dos Estados Unidos por conta de uma emergência familiar. Ele entrará ao vivo, por vídeo a partir de Nova York, e no Teatro Santander o público poderá interagir com o escritor, que responderá perguntas formuladas pela plateia. A conferência não será transmitida para fora do ambiente do auditório.

Autor de livros como O livro das ilusões e 4321, indicado ao Prêmio Booker em 2017, Auster tem Nova York como cenário dos seus livros. A metrópole, seus moradores e dramas, está nos romances que trazem reflexões existenciais, paradoxos e coincidências. Também roteirista e poeta, ele tem uma obra traduzida para mais de 40 idiomas e fez a sua estreia na literatura com o romance A invenção da solidão.

 A fama internacional veio com A trilogia de Nova York, eleito pelo The Guardian como uma das 100 melhores obras de ficção de todos os tempos. Além disso, é autor de Sunset Park e Homem no escuro. Licenciado pela Universidade de Columbia, é membro da Academia Americana de Artes e Letras e foi agraciado com os prêmios Príncipe das Astúrias, a Ordem das Artes e das Letras da República Francesa e o Prix Médicis, entre outros.

Sua obra mais recente, 4321, foi publicada no Brasil em 2018. O romance acompanha o mesmo personagem em fases distintas da vida e cujos destinos tomam caminhos diferentes conforme acontecimentos e acasos. As histórias de Auster criam empatia por colocar o foco sobre as vidas humanas.