08.10.2012  /  15:30

Performance multimídia sucesso na década de 60 volta ao Tate Modern

 

“Black Zero 1965”, considerado um exemplo precoce de desempenho multimídia durante a década de 1960, volta a ser encenado em sua forma original a partir do dia 13 de outubro no Tate Modern, em Londres. De Aldo Tambellini, filho de um paulista com uma italiana, a obra é uma mistura de música e performance ao vivo. Com luzes estroboscópicas – como as das baladas – , a platéia vai assistir às improvisações de uma bailarina à frente de projeções de vídeos com imagens abstratas e ao som de música eletrônica incorporada às notas de um violoncelo ao vivo.

Na performance original, de 1966, as atenções se voltaram à bailarina Beverly Schmidt, que recebeu uma bela crítica de Jonas Meka, do jornal americano “The Village Voice”, por sua performance. Depois de 46 anos, as atenções vão para a dançarina Daliah Touré e o violoncelista Seth Woods.  De olho!