Carlinhos Brown fez da pandemia um dos períodos mais produtivos da carreira

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0

Reconhecidamente um dos nomes mais inovadores da música brasileira, Carlinhos Brown não padeceu na pandemia de qualquer tipo de bloqueio criativo, mal invisível que tem afetado dez em cada dez profissionais seja qual for a área. Neste ano e meio o compositor e cantor soteropolitano lançou três discos – dois da trilogia revisionista “Umbalista” e o segundo volume do projeto infantil “Paxuá e Paramim” –, intensificou a sua experiência no universo das artes plásticas, produziu a trilha sonora do novo espetáculo da companhia da coreógrafa Deborah Colker e dividiu segredos valiosos em um curso on-line de percussão para iniciantes. Teve mais. Inspirado pelos acontecimentos cotidianos ele compôs singles lembrando as vítimas da Itália, o assassinato de George Floyd, a Irmã Dulce e a vencedora do BBB – “Juliette, Mon Amour”.

“Estar em casa trouxe algo de extrema generosidade. Poder ficar com os meus familiares, desfrutar momentos que os dias comuns não permitem por estar sempre viajando. Isso me reestruturou a partir do lugar que eu estava. Senti a necessidade de falar com o mundo a partir da minha casa, da Bahia. A partir da música e da arte”, explica Brown.

Foto Roncca. Blazer e tricô Velmond, calça Armani Jeans, óculos Evoke, joias e touca acervo pessoal

Tim Maia me ensinou a ser independente quando eu já estava duvidando do alcance da minha música

Carlinhos Brown

Dar vazão a essa fertilidade se deve um bocado a uma conquista prestes a completar duas décadas. Em 2002, após alguns anos sob contrato com as gravadoras internacionais, o artista fundou a Candyall Music, sua própria editora e selo, com o intuito de lançar as canções podadas e tidas como pouco comerciais para os executivos das majors. Hoje ele é dono de 80% de sua obra, um privilégio na indústria fonográfica que sequer João Gilberto pôde ter – o pai da bossa nova morreu sem a resolução da disputa judicial que travou por décadas pela propriedade de seus discos. “O patrono da Candyall foi Tim Maia. Ele me ensinou a ser independente quando eu já estava duvidando do alcance da minha música”, lembra o compositor de mais de 100 hits e ganhador de dois prêmios Grammy.

Foto Roncca. Terno Dolce & Gabbana, camisa Zara Man, gravata borboleta Hugo Boss, joias e touca acervo pessoal

No mais recente projeto, Umbalista, Brown revisitou seu cancioneiro autoral em registros ao vivo e passeou por composições que ficaram conhecidas nas vozes de outros artistas, como “Maria de Verdade”, gravada por Marisa Monte, e “Já Sei Namorar”, que ganhou o planeta com os Tribalistas. “É um projeto que me encanta muito, reúne canções de grande importância e que marcaram a minha vida.” O álbum foi lançado no ano passado e teve sequência em 2021 com Umbalista Verão e outra penca de sucessos, estes mais solares, incluindo “Meia-lua Inteira” que o projetou nacionalmente em 1989 depois de ser interpretada por Caetano Veloso no álbum “Estrangeiro”.

Nascido no Candeal Pequeno de Brotas, um quilombo de resistência africana cravado no coração de Salvador, Carlinhos Brown também se dedicou nestes tempos tristes aos trabalhos sociais – possivelmente a sua faceta mais bem-sucedida. Assim ele ajudou à sua comunidade com doações de toneladas de alimentos. “Nós podemos combater a fome que atravessa várias pandemias e é silenciosa em vários países. Este momento mostra a cara disso”, acredita, otimista sobre o presente-futuro da humanidade. “Agora, esse é o desafio que enfrentamos e é nele que podemos nos posicionar e isolar tudo o que não interessa mais ao mundo: ganância, a falta de respeito com o próximo, o preconceito e a intolerância.”

Foto Roncca

Styling Almir Jr. & Marcelo Gomes

* Matéria originalmente publicada na revista PODER, do Grupo Glamurama

Você também pode gostar