23.05.2018  /  14:56

Paolla Oliveira, que andou escrevendo sobre filhos, fala de amores idealizados, “uma mania feia” e mais!

Paolla Oliveira – e Rogério Gomes atrás, de costas || Créditos: Felipe Panfili/ Divulgação

Paolla Oliveira está curtindo um dolce far niente. “Estou de férias. Aproveito para tentar colocar a cabeça e a saúde em ordem. Me acalmar, me reenergizar para voltar a trabalhar daqui a pouco, sem pressão”.

“As coisas se ajeitaram de outra maneira”

A atriz teria sido convidada para substituir Isis Valverde como protagonista em “Espelho da Vida”, novela de Elizabeth Jhin, depois que Isis descobriu estar grávida. Só que Alinne Moraes e Rafael Cardoso estão no projeto desde o começo. Se Paolla entrasse, seria o mesmo trio de “Além do Tempo”, outra trama da mesma autora. Aí desistiram de Paolla.

“Tem muita especulação, as pessoas adoram me colocar pra trabalhar… Mas há treze anos, quando comecei na Globo, era exatamente isso que eu desejava.. Houve, sim, esse movimento [para ela entrar em ‘Espelho da Vida’], mas as coisas se ajeitaram de outra maneira [Vitoria Strada ficou com o papel] e tem um monte de coisa que não passa nem por mim… Depois de ‘A Força do Querer’, gravei a série [‘Assédio’], que foi em março, então tem pouco tempo que estou fora”.

“O rabo do outro”

A atriz está em cartaz… No cinema. “‘Alguém Como Eu’ é um romance leve e divertido que fala sobre as várias fases de um relacionamento, que pode cair na mesmice – e que às vezes o que a gente deseja não vai resolver nossos problemas… O cinema brasileiro tem a comédia e os filmes cool premiados, e tem esse meio do caminho pra explorar… Nosso filme diverte e faz a gente pensar. É pra rir, sem nenhuma pretensão. Somos eu e Ricardo Pereira numa discussão que a gente já ouviu falar, mas por um outro olhar”.

Já idealizou demais um homem? “Todos nós já idealizamos alguém e depois quebramos a cara. Levante o dedo quem nunca, por favor… Na verdade a gente tem uma mania bem feia que é o tempo todo ficar falando: ‘ah, fulano deveria ser assim ou assado’… E a gente nunca olha pra dentro… Sempre falo isso: antes de criticar o outro, vale a pena a gente se olhar. Minha avó falava uma coisa maravilhosa: olhar o rabo do outro é fácil, olhar o nosso dá um trabalhão… E é mais ou menos isso”.

#textão

Aproveitamos o papo com Paolla para perguntar sobre o textão de aniversário que ela publicou, mês passado, nas redes sociais. “Era só pra ser uma legenda para a foto, mas fui escrevendo, escrevendo e saiu aquele texto. Aí as pessoas comentaram: ‘Nossa, ela fala sobre tantas coisas…’ Mas todo aniversário faz a gente repensar, rever, avaliar quem a gente quer ser e o que a gente trouxe de bom até aquele momento…”

Cegonha

Em determinado trecho, ela escreveu: “Regras a seguir: rir mais alto, sair da dieta, […] chorar, […] aprender sobre filhos, tecnologia e música”. Filhos? A gente quis saber… E sim, ela confirmou, entre risos. “Mas aprender sobre piano e bateria também… Todas aquelas coisas”, respondeu a moça, já saindo à francesa. Será que o diretor de TV Rogerio Gomes, pai de duas adultas, vai se aventurar de novo e fazer crescer sua família, agora ao lado de Paolla? Será que ela chama a cegonha antes ou depois de conseguir tirar um som nesses instrumentos? Vamos ter que esperar pra ver… (por Michelle Licory)