10.02.2020  /  12:13

Oscar 2020: Estatuetas inéditas, discursos poderosos e fashionismo no prêmio que ainda é insuperável

Laura Der, Joaquin Phoenix, Renée Zellweger, Brad Pitt e Bong Joon Ho no Oscar 2020 || Créditos: Getty Images

O Oscar 2020 provou que ainda é a premiação mais importante do cinema mundial, apesar das muitas críticas recebidas ao longo dos anos, e quase sempre pertinentes. “Parasita” , por exemplo, recebeu quatro estatuetas: Melhor Filme (primeiro não falado em língua inglesa a vencer na categoria), Bong Joon Ho como melhor diretor, roteiro original e filme internacional. Os demais destaques na premiação: “1917”, drama de guerra, que ficou com três estatuetas; já “Coringa”, “Ford vs Ferrari” e “Era uma vez em Hollywood” ganharam duas cada produção; “O Irlandês” não levou nenhuma de suas 10 indicações e deixou todos surpresos. Joaquin Phoenix, Renée Zellweger, Brad Pitt e Laura Dern foram premiados por suas atuações. Já o Brasil bateu na trave novamente e perdeu a disputa de melhor documentário para “Indústria Americana”.

Durante a entrega dos prêmios, o público viu artistas quase que desabafando nos microfones com discursos de agradecimento que envolveram família, sonhos e conquistas. Brad Pitt, quando foi receber o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante pela atuação em “Era Uma Vez em…Hollywood” causou surpresa ao falar sobre a relação discreta com os filhos: “Isso vai para meus filhos. Eu adoro vocês. É para vocês que eu faço tudo o que faço”. Laura Dern, que venceu na mesma categoria por “História de um Casamento”, manteve a conversa no mesmo tema: “Falam que você nunca conhece seus heróis, mas se você for abençoada, seus heróis são seus pais”.

Um dos mais engajados, Joaquin Phoenix, que conquistou todos os prêmios por sua atuação em “Coringa”, deixou os discursos políticos e críticos de lado para falar sobre reconhecer os erros e perdão. “Quando usamos amor e compaixão como nossos guias principais, nós criamos sistemas de mudança. Não quando nos cancelamos pelos erros do passado, mas quando nos guiamos para crescer, por redenção, esse é o melhor da humanidade”, disse em parte de seu agradecimento e ainda relembrou o irmão, o ator River Phoenix, que morreu aos 23 anos. “Quando ele tinha 17 anos, meu irmão escreveu isso: ‘corram ao resgate com amor e a paz será o resultado’.

Renée Zellweger, que levou o Oscar de Melhor Atriz por ‘Judy: Muito Além do Arco-Íris’, o segundo da carreira, fez questão de lembrar de sua homenageada, a atriz Judy Garland e seu legado para o cinema. E, claro, Bong Joon Ho, diretor de “Parasita”, o grande vencedor da noite: “Quando você supera o grande obstáculo das legendas, é apresentado a tantos outros filmes incríveis”.

E o red carpet? Um belíssimo desfile de vestidos dos mais variados com fendas, transparências, estampas e alfaiataria. Branco e preto, de novo, assim como os rosas combinados com o preto e os brilhos. Vimos também a sustentabilidade no desfile, como Jane Fonda que repetiu o vestido de 2014 de Elie Saab. Janele Monae foi sem dúvida a celeb que apostou no look mais diferente e arrasou. O vestido com mais de 170 mil cristais, assinado pela Ralph Lauren, demorou 600 horas para ficar pronto. Vem ver o que teve mais na nossa galeria.