31.10.2018  /  12:39

O novo lifestyle de Junno e Xuxa: “Não queria mais sangue e medo no meu prato”

Junno Andrade e Xuxa aderiram à dieta vegana || Créditos: Blad Meneghel

Junno Andrade e Xuxa formam um dos casais em sintonia da TV brasileira e frequentemente publicam declarações de amor em suas redes sociais. Em janeiro deste ano, um post do ator e cantor chamou a atenção dos seguidores do casal: “Um passo de cade vez… hoje a Xu (que já estava bem mais adiantada rs) e eu resolvemos começar uma nova vida mais saudável, onde nenhum coração terá que deixar de bater pra nos alimentar…. não haverá sangue, medo, dor e nem remorso em nossas refeições, nos alimentaremos de amor e respeito aos animais. É uma decisão muito difícil e corajosa. Nunca é tarde para dar o primeiro passo” dizia a publicação. Dez meses depois, Glamurama foi atrás do ator e quis saber como está a vida do casal depois desta mudança radical, já que nesta quinta-feira se comemora o Dia Mundial do Veganismo. Vem! (Por Paula Barros)

Glamurama – Porque você aderiu ao veganismo?
Junno – “Pelos animais, por esses seres puros que não tem voz, não tem direito a vida, não podem pedir socorro, reclamar! Vivem confinados, explorados, muitas vezes sem ver a luz do sol, sem liberdade! Sentem medo, dor e a indiferença humana! São cruelmente assassinados uns na frente dos outros, veem tudo, sentem tudo e nada podem fazer. Não queria mais fazer parte disso, não queria mais sangue, dor, sofrimento, medo no meu prato, nem esse remorso dentro de mim! Quero indicar dois documentários que ajudaram muito na nossa filosofia de vida, você pode encontrá-los na Netflix: ‘What the Wealth’ e ‘Cowspiracy: O Segredo da Sustentabilidade”.

(abaixo o post que fizeram em janeiro)

View this post on Instagram

Um passo de cade vez… hoje a Xu @xuxamenegheloficial (que já estava bem mais adiantada rs) e eu resolvemos começar uma nova vida!!! Uma vida mais saudável, onde nenhum coração terá que deixar de bater pra nos alimentar…. não haverá sangue, medo, dor e nem remorso em nossas refeições, nos alimentaremos de amor e respeito aos animais. É uma decisão muito difícil e corajosa. Sabemos o quanto somos frutos de uma cultura onde se pode matar em nome da sobrevivência do homem, não importando se outros seres devem abrir mão de suas vidas e de sua paz para que isso aconteça. Reconhecemos sim nossa culpa em todo esse processo, onde acabamos por compactuar com esse habito tão cruel e egoísta, mas o melhor de fazer parte dessa experiência de vida é saber que NUNCA É TARDE para dar o primeiro passo, para mudar e pra nos tornarmos melhores, estamos muito longe ainda, mas quem sabe um dia seremos dignos de sermos chamados de “SERES HUMANOS”. P.s. Esse hamburguer DELICIOSO é feito de grão de bico! 🌱🌱🌱 #vegan #vegetarian #vegetariano #govegan🌱 @sociedadevegetariana @nomoo @veganzabarrashopping @nutricionistarafaelamold @aleluglio @virandovegana @rafael_tortella

A post shared by Junno (@junnoandrade) on

Glamurama – O que mudou na sua vida com essa dieta? 
Junno –  “Mudou muita coisa, primeiro o sentimento de alívio por não explorar mais nenhum ser vivo. Segundo porque a dieta vegana é indiscutivelmente mais saudável, uma alimentação a base de vegetais, sem hormônios, antibióticos, etc… E os resultados dos meus exames de rotina estão excelentes, as melhoras foram significativas. Sempre tive problemas com triglicerídeos e colesterol altíssimos, agora estou dentro dos valores normais de referência! Também perdi 7 quilos no primeiro mês, coisa que meu metabolismo já não estava permitindo, passei a me sentir mais disposto, mais leve, sem dores no corpo…. Como a comida vegana é muito rica em fibras, o intestino passa a funcionar muito melhor, fora que não tem nenhum cadáver em estado de putrefação dentro da gente, né!?”

Glamurama – E socialmente?
Junno – “Socialmente a gente enfrenta alguns ‘problemas’, nada tão difícil de resolver, pois existe muito tabu sobre comida vegana. Você pode ser muito feliz comendo coisas simples, como arroz, feijão e uma salada de grão de bico por exemplo. O pior são as piadinhas… No começo incomoda um pouco, ouvi muito: ‘quando eu fizer um churrasco de abobrinha te chamo’, como se fosse algo ruim, mas eu adoro legumes grelhados.”

Glamurama – A Xuxa aderiu por incentivo seu? Vocês se apoiam?
Junno – A Xuxa já era praticamente vegetariana e desde muito jovem comia apenas peixe, e poucas vezes na semana consumia laticínios sem lactose, quase nada de queijo, pois tudo fazia mal pra ela. Eu já não comia carne vermelha há 9 anos, pouco comia frango e carne de porco, porém ainda consumia muitos laticínios. Conversando com a Xu sobre alimentação, já que até produtos sem lactose estavam causando mal estar e inchaço nela, sugeri que ela assistisse a um documentário no youtube chamado “Terráqueos” e fui pra São Paulo. Quando voltei ela estava em choque e disse que não queria comer mais nada animal. Daí resolvemos mudar nossos hábitos juntos, um dando força pro outro.”

Glamurama – Qual sua receita vegana favorita?
Junno – “Ainda estamos descobrindo coisas muito interessantes no veganismo, tem pratos maravilhosos! Mas no momento, minha paixão é o ‘arroz da Xu’! Ela faz uma mistureba de arroz integral, uva passa, ervilha, milho, tomate e sementes diversas. É muuuito bom e saudável. E o iogurte que eu faço (hehehe), melhor que todos que já provei!”

Glamurama – Qual seu restaurante vegano favorito?
Junno – “Em São Paulo tem duas pizzarias veganas sensacionais, a Fratelli Basilico, no Brooklin, e a Pop Vegan Food, em Santa Cecília. Tem também o restaurante Natural das Anas, que não é vegano, mas tem opções maravilhosas como um bolo de chocolate com calda quente. E é bom pra quem vai acompanhado de algum carnívoro de plantão. O Recanto Vegetariano, também no Brooklin, também é 100% vegano e com muitos produtos orgânicos. No Rio, gosto muito do Veganza no Barra Shopping. Tem um Not dog (hot dog vegano) sensacional e um hambúrguer delicioso também. Soubemos que tem um restaurante chamado Caminhos do Mar, no Recreio, super recomendado, mas ainda não fomos lá.”

*

Abaixo a foto da nova tatuagem do ator que desenhou o símbolo do veganismo.