17.10.2019  /  18:06

Novo projeto de Banksy envolve loja online e compra de navio para salvar refugiados. Entenda!

Peças do streetartist Banksy à venda online // Reprodução

Quando o assunto é causar, Banksy é campeão! Depois que uma obra sua se autodestruiu em pleno leilão, tudo é possível. Dessa vez, o artista britânico viu seus direitos autorais e créditos ameaçados de cair em mãos alheias, e tomou uma decisão – bem no estilo ‘banksy’ de ser, ‘of course’. Nada de tribunais ou coisas assim. Tratou de criar uma loja em Croydon, bairro ao sul de Londres, batizada Gross Domestic Product (Produto Interno Bruto).

Apesar de Banksy ter anunciado a abertura da loja, ela permanece de portas fechadas. Nas redes sociais, o ele explicou que o spot é apenas a sede para a venda online de produtos de seu catálogo. O inglês, que aparentemente nunca trabalhou por dinheiro, avisou também que tudo o que for arrecadado nesse projeto servirá para comprar um navio para o resgate de refugiados em perigo.

E nessa semana finalmente o e-commerce entrou no ar com algumas peças criadas pelo icônico – e misterioso – street artist. Entre os ítens que podem ser adquiridos por preços que vão de 35 (220 reais) a 850 libras (5 mil e 400 reais), está o colete à prova de facadas usado pelo rapper Stormzy, em Glastonbury, acompanhado da seguinte descrição: “Usado por Stormzy no festival de Glastonbury (porque é muito perigoso lá)”.  Na abertura do site, Gross Domestic Product é descrita como “a marca de artigos para casa de Banksy”, enquanto no rodapé aparece “… onde a arte irrita a vida”.

Muitos dos itens à venda foram exibidos em uma instalação temporária, incluindo o “Met ball”, um “sistema de iluminação para entretenimento doméstico” feito de um capacete da polícia e decorado para parecer um bola de discoteca, e um bebê móvel composto por uma série de câmeras de CFTV, com a seguinte descrição – ‘Derradeiro brinquedo de estímulo montado no teto para preparar seu filho para a jornada que vem pela frente – uma vida de constante vigilância, tanto pelo Estado quanto auto-imposto’.

E o projeto tem vários pontos bacanas, além da arte. Um Banksy Welcome Mat, por exemplo, pode ser arrematado por 500 libras (cerca de 3 mil reais). A peça é “confeccionada em tecido de coletes salva-vidas abandonados nas praias do Mediterrâneo” em colaboração com a organização Love Welcomes, que trabalha com mulheres refugiadas que produzem tapetes a partir de “coletes salva-vidas e cobertores usados ​​por sírios assustados e exaustos enquanto se banham na costa européia”. Os lucros são direcionados aos próprios refugiados.

Os possíveis compradores de ‘produtos internos brutos’ devem se registrar on-line para ter a chance de adquirir um item, mas não basta ter dinheiro… Depois de se cadastrar, o interessado deve responder à pergunta “Por que a arte importa?” Um comediante de stand-up examinará as respostas e selecionará as que achar mais adequadas e originais.

No melhor estilo sincerão, o e-commerce de Banksy também alerta os clientes que eles podem ter uma “experiência decepcionante no varejo”, explicando: “Tudo é produzido por um punhado de pessoas que usam material reciclado sempre que possível em uma cultura de beber durante o dia no local de trabalho. Portanto, não há muita quantidade e nem todos os produtos estão prontos para enviar imediatamente.”