01.08.2017  /  16:23

Novo IMS na Paulista abre neste mês com clássico da fotografia do séc. 20

Robert Frank, “Parade” — Hoboken, New Jersey, do livro “Os Americanos” || Créditos: Divulgação

Contagem regressiva para a abertura da nova sede do Instituto Moreira Salles na avenida Paulista. A grande inauguração já tem data e hora para acontecer: a partir das 19 horas do dia 21 de agosto. As obras começaram em dezembro de 2013 e o prédio, que leva a assinatura do escritório Andrade Morettin Arquitetos, vai contar com três andares dedicados exclusivamente a exposições, uma biblioteca e espaços para mostras de cinema, palestras, cursos e eventos musicais. E a mostra “Os Americanos”, do fotógrafo e documentarista suíço-americano Robert Frank, será a primeira montada no novo CEP – as imagens foram capturadas na década de 50, depois que Frank ganhou uma bolsa da John Simon Guggenheim Memorial Foundation para uma longa viagem pelos Estados Unidos com o objetivo de fazer um estudo visual de uma civilização. O estudo acabou tornando-se um clássico da fotografia do século 20.

Exibição de The Clock, de Christian Marclay || Créditos: Divulgação

E a programação de inauguração não para por aí: a videoinstalação “The Clock”, de Christian Marclay, vencedora do Leão de Ouro na Bienal de Veneza em 2011, também será um dos pontos altos. O trabalho ficará dois meses em cartaz no horário de funcionamento do centro cultural, sendo que uma vez por semana terá projeção de 24 horas de duração na Galeria 1, no prédio do IMS. Já a mostra “Corpo a corpo”, que reúne seis artistas contemporâneos – Jonathas Andrade, Sofia Borges, Bárbara Wagner, Letícia Ramos, coletivos Garapa e Mídia Ninja –, evoca diversos tipos de violência urbana e ficará em cartaz até novembro na Galeria 2, também no IMS.

O fotógrafo Michael Wesely na desmontagem de uma das câmeras || Créditos: Divulgação

Completam ainda a programação a mostra “Câmera Aberta”, de Michael Wesely, que em 2014 instalou várias câmeras em pontos estratégicos do prédio do IMS Paulista para capturar continuamente imagens do novo centro cultural desde o início de sua construção, e “São Paulo: Três ensaios”, com curadoria de Guilherme Wisnik, que acompanha a transformação da metrópole ao longo das décadas por meio de trabalhos de nomes como Marc Ferrez, Militão Augusto de Azevedo, Alice Brill, Vincenzo Pastore, Hildegard Rosenthal e Thomaz Farkas. Must go!

Fachada do IMS na Avenida Paulista que tem projeto assinado pelo escritório Andrade Morettin Arquitetos || Créditos: Divulgação

+ Avenida Paulista 2424