Roberta Sudbrack, os queijos apreendidos e Claude Troisgros || Créditos: Divulgação/Juliana Rezende/ Reprodução Instagram 

Troisgros fala sobre polêmica de Sudbrack com vigilância sanitária no Rock in Rio: “Dois errados”

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Roberta Sudbrack, os queijos apreendidos e Claude Troisgros || Créditos: Divulgação/Juliana Rezende/ Reprodução Instagram

Se espalhou como rastilho de pólvora: Roberta Sudbrack botou a boca no trombone nas redes sociais reclamando porque a vigilância sanitária apreendeu suas mercadorias no Rock in Rio na sexta-feira, primeiro dia de evento. A chef montou seu SudTruck por lá, diz ter tido um prejuízo enorme e pediu para todo mundo compartilhar seu desabafo, que a gente reproduz aqui embaixo. Querida como poucos, foi atendida prontamente.

“A vigilância sanitária do Rio de Janeiro invadiu o meu estande no Rock in Rio com quase 15 pessoas e decretou que os queijos brasileiros, bem como a charcutaria brasileira da melhor qualidade, meus fornecedores há pelo menos 20 anos, não são bons o bastante para comercialização. Sem nenhum bom senso ou razoabilidade, jogaram fora mais de 80kg de queijo dentro da validade, assim como 80kg de linguiça fresca e previamente aprovada pelo controle do evento Rock in Rio. Todos inspecionados pelos órgãos sanitários dos seus Estados. O motivo? Faltava 1 carimbo, um selo, uma coisa qualquer. Estou fechando a minha operação no Rock in Rio porque a minha ética, o meu profissionalismo e as minhas convicções não me permitem ver uma cena dessas. Comida da melhor qualidade sendo jogada fora enquanto tantas pessoas morrem de fome no mundo. O meu prejuízo provavelmente é do tamanho desse mesmo mundo, mas minha dignidade e as minhas crenças são maiores! POR FAVOR COMPARTILHEM! ME AJUDEM A SALVAR A DIGNIDADE DA GASTRONOMIA BRASILEIRA! Mas não compartilhem pouco. Por favor COMPARTILHEM MUITO! Estou entrando com uma liminar na justiça para salvar o restante de toda a mercadoria que temos em estoque para que possamos pelo menos doar a quem precisa. E me comprometo não só a doar, mas preparar essa comida da melhor qualidade e da qual eu me orgulho de servir há mais de 25 anos para quem precisa. Por favor compartilhem! Obrigada”, dizia o post, com quase 42 mil curtidas. 

Apesar de ser mesmo um desperdício e de Roberta ser uma chef premiada em quem a opinião pública confia, de fato ela mesma confirma que faltava cumprir algum tipo de burocracia em relação aos seus produtos. Fomos conversar com Claude Troisgros, outro chef famoso e premiado, que deu sua opinião sobre a polêmica. “Os dois lados estão errados. A Roberta não deveria, em um evento como o Rock in Rio, pegar o risco de colocar produtos sem SIF [um selo do Serviço de Inspeção Federal]. Por outro lado, claro que a vigilância tem que fiscalizar e os produtos têm que ter SIF, mas o jeito de eles entrarem é que foi errado. Desde que estou no Brasil, valorizo os pequenos produtores também, como ela, só que a gente tem que estar dentro da lei. Difícil criticar alguma coisa hoje, com o evento rolando. Isso tem que ser previsto com antecedência. A maioria dos pequenos produtores não tem esse selo. E não é porque eles não querem ter, é porque são tão pequenos que não têm condições de cumprir essa burocracia. Acho uma pena, ela é nossa amiga há muitos anos, trabalha de maneira certa… O problema é que o governo não facilita. Eu, a Roberta, o Alex Atala… muitos chefs do Brasil tentam mudar essa lei, mas primeiro a gente tem que mudar a lei, e não fazer o que a Roberta fez. Por isso ela está errada: precisa cumprir a lei”. (por Michelle Licory)

Você também pode gostar
Solidão Pandemia

Depois da tempestade

O restaurante que eu frequentava antes da pandemia reabriu. Esteve fechado por meses, e eu o tinha como…