Taís Araújo
Taís Araújo no evento da joalheira L/Dana, no Rio || Miguel Sá/ Divulgação

Taís Araújo chora ao falar de adoção e criança do Jalapão

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Taís Araújo no evento da joalheira L/Dana, no Rio || Miguel Sá/ Divulgação
Taís Araújo no evento da joalheira L/Dana, no Rio || Miguel Sá/ Divulgação

Taís Araújo anda envolvida com o tema adoção. Nesta temporada de “Mister Brau”, seriado que faz com o marido, Lazaro Ramos, na Globo, os dois adotam três crianças. Por conta disso, o assunto surgiu nesta quinta-feira em um papo do Glamurama com a atriz, que já havia confessado que poderia aumentar a família dentro desse formato, em um evento da joalheira Lydia Dana, no Rio. Pra nossa surpresa, ela começou a chorar, muito emocionada. “Você me faz essa pergunta logo hoje? Estava agora conversando com meu marido durante o almoço, chorando, contando pra ele sobre uma criança que conheci no Jalapão, que eu queria adotar. Sim, foi com uma criança específica que me identifiquei lá, mas uma história horrorosa, melhor eu nem contar”, nos disse, sem entrar em detalhes.

“Tem três dias que mal durmo”

Taís nos disse apenas que estava há 10 dias fora de casa, sem ver os filhos, emendando um compromisso no outro, como o “Saia Justa”, do GNT, que ela faz ao vivo em São Paulo nas noites de quarta. Nesta quinta, ela acordou às 4h30 para tentar embarcar cedo e tomar café da manhã com os filhos no Rio, onde mora, antes de cumprir a agenda do dia, mas teve o voo cancelado. Só conseguiu mesmo chegar para o almoço com Lazaro… “Tem três dias que mal durmo”.

“Sofri muito. Nada tinha graça”

Por falar no “Saia Justa”, durante o programa ela comentou que pensou que a novela “Viver a Vida” seria sua grande chance – afinal era a primeira Helena negra de Manoel Carlos, protagonista do horário nobre. No entanto, “aquele texto não me dizia nada, eu me sentia a professora do Snoopy. Eu não fazia bem, e não sei se tinha como fazer, não era bom. Me sentia em uma areia movediça e patinei até o fim”. Também conversamos com Taís sobre a confissão. “Na verdade, a gente não sabe de nada. Achei mesmo que era minha grande chance, e quando vi que não era aquilo, sofri muito. Fiquei 2 anos muito mal por conta disso. Nada tinha graça. Mas hoje eu pagaria para viver tudo aquilo porque esse sofrimento me transformou. Vejo que eu precisava passar por isso. No fim foi uma grande oportunidade de transformação”. O trauma foi tanto que ela chegou a pensar em desistir da carreira, mas aí veio o megasucesso “Cheias de Charme” e tudo voltou para os trilhos. Ainda bem! (por Michelle Licory)

Você também pode gostar
Solidão Pandemia

Depois da tempestade

O restaurante que eu frequentava antes da pandemia reabriu. Esteve fechado por meses, e eu o tinha como…