Tailândia, Hong Kong e Tóquio por Sharon Weissman Beting, da SUB

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Sharon em Krabi e Phi Phi, na Tailândia

Sharon Weissman Beting, dona da SUB, multimarca de beachwear esperto que fica no Shopping Cidade Jardim, é uma cidadã do mundo. Nascida em Israel, a empresária passou a infância no Uruguai para depois desembarcar no Brasil. Ela completou neste ano sua terceira viagem de volta ao mundo e para o Glamurama deu dicas preciosas de três destinos asiáticos: Tailândia, Hong Kong -que ela diz ser “uma mistura de Rio de Janeiro com Nova York”- e Tóquio.

Na Tailândia Sharon indica

*Hotel Mandarin Oriental: “Restaurante incrível e spa idem!” www.mandarinoriental.com

*Mercados: “O Floating Market, um mercado flutuante, perfeito para comprar todas as coisas típicas da Tailândia com um passeio lindo de barco pelos canais. O Night Bazar, no bairro de Chiang Mai, é visita obrigatória, tem bolsas, sapatos, especiarias, bijoux, etc…”

*Detalhe: “Os ônibus, barcos e tuk-tuks são enfeitados com guirlandas de jasmim para tranquilizar os espíritos ”

*Gran Palace: “Um escândalo, o mais lindo que já vi, todo coberto de ouro! O Buda deitado gigante também é imperdível”  www.grandpalacebangkok.com

*Loja e museu: “O Jim Thompson” www.jimthompsonhouse.com

*Restaurante Sirocco: “Para um jantar com a melhor vista de Bangkok (360 graus), no 64º andar, que é inteiro aberto. Para quem não quiser jantar também tem um bar muito bacana por lá” www.lebua.com/sirocco

*Luta de Muay Thai: “Programa típico de lá e divertido”

*Al Mare: “As melhores praias com hotéis incríveis estão em Puket e perto de Krabi, nas ilhas Phi Phi”

 

Em Hong Kong

*Para curtir: “Os passeios no Ferry de Tsim Sha Tsui para Hong Kong já são um belíssimo programa”

*Península Hotel: “É o meu preferido, o Copacabana Palace de Hong Kong” www.hongkong.peninsula.com

*Compras: “Tem um shopping gigante em cada bairro, com todas as lojas mais bacanas. A Canton Road tem as flagships gigantes de todas as marcas de luxo com filas na porta. A melhor multimarca de Hong Kong é a Joyce” www.joyce.com

*Mercados: “Para contrastar com tantos shoppings de luxo, o melhor programa de Hong Kong para mim são os mercados de rua: Ladies Market, Night Market, Jade Market e Stanley Market”

*Para contemplar: “O Ma Mo Temple, em Hollywood Road, é visita obrigatória. Depois de andar pelo Soho e pela Cat Street, com lojas de decoração e antiguidades chinesas”

*Restaurantes: “O Café Gray Deluxe, que fica no hotel The Upper House, que é incrível. O restaurante tem uma das melhores vistas de Hong Kong, a do banheiro é de tirar o fôlego! O italiano Isola é perfeito para um brunch ou almoço. Também indico o The Steak House, no Hotel Intercontinental, com vista linda e espetacular e o chinês Tsim Sha Tsui, no Hyatt” www.cafegrayhk.com, www.isolabarandgrill.com, www.hongkong-ic.intercontinental.com, www.hongkong.tsimshatsui.hyatt.com

Sharon em Bangkok e Hong Kong

Em Tóquio

*Mercado: “O Tsukiji Market, mercado de peixes, tem atuns gigantes que são leiloados às seis da manhã e peixes super diferentes que mais tarde viram sushi. Ao lado tem o mercado das comidas, para ver tudo que é típico do Japão, além de ótimos restaurantes de sushi com o peixe mais fresco do mundo”

*Compras: “O distrito Ginza tem todas as lojas de grife mais tops em prédios enormes com arquitetura espetacular. O Omotesando é o bairro mais moderno, com as lojas mais bacanas. Minhas marcas japonesas preferidas são a Muji e Uniqlo e a loja de departamentos Takashimaya”

*Tem que ver: “No bairro de Shibuya, com a estação gigante de metrô e um cruzamento que parece um tsunami de gente. Vale a pena sentar no Starbucks que fica no prédio e observar. Também tem o Ueno, o bairro mais tradicional e antigo de Tóquio, cheio de templos e mini cemitérios, uma volta no tempo”

*Restaurantes: “No Hotel Park Hyatt, do “Lost in Translation”, o restaurante New York Grill, com a vista incrível. E o Aquavit, de comida escandinava, do chef Samuelsson, de Nova York” www.tokyo.park.hyatt.com, www.aquavit-japan.com

*Japão real: “Tem que pegar um trem bala e ir para Kyoto, ficar num Ryokan, o hotel típico dos japoneses, ver as gueixas, templos antigos e se perder pelas ruazinhas mais charmosas do Japão”

 

Você também pode gostar
Solidão Pandemia

Depois da tempestade

O restaurante que eu frequentava antes da pandemia reabriu. Esteve fechado por meses, e eu o tinha como…