Bloom Iguatemi
Divulgação

Restaurante Bloom aposta em junk food nutritiva no JK Iguatemi em São Paulo

2 Compartilhamentos
2
0
0
0
0

Junk food nutritiva é o conceito da Bloom, restaurante que chegou no shopping JK Iguatemi em São Paulo. A startup inseriu a nutrição funcional nos alimentos fast food, aqueles que tradicionalmente têm a fama de caloria vazia, ou seja, alto teor calórico e baixo níveis de nutrientes.

O “fast good” da Bloom traz sorvetes, milk shakes, hambúrguer, batata frita, chocolates, refrigerantes, chás etc. Tudo sem abrir mão do que mais se ama no junk food: as sensações de prazer.

Para criar esses produtos, a startup usou fórmulas com ingredientes de suplementação e fortificação, trazendo nutrientes importantes para reconstrução muscular, imunidade, bem-estar, saúde intestinal e saúde mental.

Sem impacto ambiental  

Desde o primeiro contato da Bloom com o público, já foram três meses e a certificação de primeiro fast food carbono neutro do país. Além da nutrição funcional, a proposta é também oferecer alimentos com zero origem animal. Com uma operação 100% elétrica, a Bloom trabalha apenas com embalagens de papel e/ou biodegradáveis, ou seja, à base de plantas que se decompõem rapidamente.

Adeus, caloria vazia

As operações da empresa começaram em novembro de 2021, em São Paulo. Durante a alta temporada de verão, inauguraram um ponto físico na Riviera de São Lourenço. A ideia do “fast good” veio de um estudo de Fabio Munno, co-fundador da marca.

Nos últimos anos, Fabio se debruçou sobre pesquisas de tendência de comportamento e evolução do mercado. Ele entendeu que o mercado de alimentos se encaminha para os pilares de nutrição funcional, zero origem animal e neutralidade de carbono. Também foram levados em conta os hábitos culturais, religiosos, políticos da sociedade. 

Para nascer a Bloom, o empresário se uniu a Ricardo Armando de Angelis e Amanda Albaricci de Angelis, sócios proprietários do parceiro umbilical Atlhetica Nutrition, gigante do setor de suplementos alimentares e nutrição. 


Futuro da Bloom 

Da sociedade com a Nutramérica, holding dona do grupo Atlhetica Nutrition, a Bloom captou R$ 10 milhões. O próximo passo da startup é o desenvolvimento de categorias de produtos estratégicas direcionadas ao varejo – supermercados, farmácias e conveniências.

Você também pode gostar