Jay-z e Beyoncé Knowles e, ao fundo, o quadro 'Equals Pi', de Jean-Michel Basquiat
Jay-z e Beyoncé Knowles e, ao fundo, o quadro ‘Equals Pi’, de Jean-Michel Basquiat || Créditos: Reprodução

Quadro jamais visto de Basquiat ‘rouba a cena’ em comercial de joalheria estrelado por Beyoncé e Jay-Z

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Jay-z e Beyoncé Knowles e, ao fundo, o quadro 'Equals Pi', de Jean-Michel Basquiat
Jay-z e Beyoncé Knowles e, ao fundo, o quadro ‘Equals Pi’, de Jean-Michel Basquiat || Créditos: Reprodução

Beyoncé Knowles e Jay-Z fazem dobradinha como garotos-propaganda da nova campanha mundial da centenária grife de joias americana, Tiffany & Co, mas quem rouba a cena no filme de um minuto dirigido por Emmanuel Adjei, o mesmo por trás do videoclipe de “Black Is King” da cantora, é Jean-Michel Basquiat, o artista morto em 1988 cujos trabalhos estão entre os mais hypados do mercado mundial de artes.

Na verdade, um quadro inédito assinado por ele, em tom azul forte, é que o que de fato chama atenção no comercial feito para a telinha, que também marca a primeira vez em que o casal número um da música interage junto em um trabalho do tipo.

Ao som de “Moon River” tocado no piano e interpretado em voz por Beyoncé, os dois também apresentarão ao mundo pela primeira vez o famoso “Diamante da Tiffany”, uma pedra preciosa de 131.88 quilates que já foi usada por ícones da moda em outras campanhas da Tiffany’s (Audrey Hepburn, Lady Gaga e Mary Whitehouse entre elas), mas nunca havia sido exposto na TV.

Frise-se que tudo está sendo fiscalizado de perto por Alexandre Arnault, um dos cinco filhos de Bernard Arnault, atualmente o terceiro homem mais rico do mundo (depois de Elon Musk e Jeff Bezos), e CEO da LVMH, que agora controla a Tiffany’s.

Com previsão de ir ao ar já nesse mês e intitulado “About Love”, o comercial pra lá de estrelado que ficará em exibição durante um ano servirá de plataforma de lançamento para “Equals Pi”, a pintura de Basquiat em questão, que data de 1982 e, dizem, teria sido uma “cutucada” dele ao que o gênio considerava ser uma promoção exagerada do luxo feita pela casa joalheira fundada em 1837 e cuja cor oficial é justamente o azul. (Por Anderson Antunes)

Você também pode gostar