Pedro Braun: empolgação e dedicação máxima ao projeto DJ School

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Pedro Braun, Mario Velloso e Pietra Bertolazzi em mais um dia de Dj School

Pietra Bertolazzi e Mário Velloso comandam mais uma vez as pick-ups do projeto DJ School, aqui no Audi Lounge, nos Jardins, em São Paulo. E os pupilos da vez são Pedro Braun e Maurício Vasconcelos. Na sua segunda aula, Pedro Braun está empolgado e contou que já encontrou seu estilo – uma das regras ensinadas na primeira lição: “Já sei que vou pelo deep house mesmo, como a Pietra e o Mário. É o tipo de som que curto mais”.

Um dos sócios da Fishfire, ele fez praticamente uma oficina de música eletrônica em Ibiza, há dois anos, quando descobriu seu estilo musical preferido. “Fui em todas as baladas de eletrônica possíveis. Cada uma com um tipo de música. Lá aprendi a diferença entre trance, EMD e deep house, por exemplo.” Como se apaixonou pela última? “Fui em uma balada menor, com umas 400 pessoas e o DJ Solumon, não tão conhecido até então, e adorei! Vi que era isso. Era esse o meu som”.

Estilo definido, a maior dificuldade de Pedro até agora é fazer a transição certa de uma música para outra. “É a parte mais difícil para ele aprender a para a gente ensinar”, diz Mário. “Porque essa transição é de conhecimento da batida, de ouvido. Tem que treinar, conhecer cada uma das músicas da playlist que vai ser tocada”, completa. “E isso não é técnica, é feeling”, diz Pietra, que elogiou a dedicação de Pedro. “Ele está indo bem, todo aplicadinho”.

O outro aluno da turma A do DJ School, Maurício Vasconcelos substituiu a desistente Stella Jacintho, e se encantou já na primeira aula. “Não sabia nem onde ligar as pick-ups. Estou adorando tudo!”. Seu estilo? “Ah, vou pelo deep house também, mas me divido com o hip hop. Gosto muito de caras como Jay Z e Emicida.” Se a primeira lição eles já aprenderam, Pedro e Maurício agora têm uma missão para a próxima etapa: afinar os ouvidos para sentir as batidas e o momento certo para mudar a música e não correr o risco de deixar aquele silêncio horripilante na pista. Alguém duvida que eles vão continuar arrasando?

 

Você também pode gostar
Solidão Pandemia

Depois da tempestade

O restaurante que eu frequentava antes da pandemia reabriu. Esteve fechado por meses, e eu o tinha como…